Pular para o conteúdo principal

REFORMA DA PREVIDÊNCIA PENALIZA SERVIDOR POR DUAS VEZES

Foto: Internet - Hamilton Silva

Com a mini reforma feita em 2003, estabelecendo um teto para aposentadoria os servidores que ingressaram no serviço público até então não poderiam  sofrer novas punições, mas com Reforma em curso o objetivo  é acabar com a paridade e a integralidade para todos, inclusive para os que ingressaram no serviço público até 2003 penalizando-os mais uma vez.
Para se ter direito à paridade e integralidade, será exigida idade mínima de 65/62 e 40 anos de contribuição.
O desafio dos servidores é discutir o tema para não serem penalizados mais uma vez, ou seja, e aos que  ingressaram até 2003,  seja garantida a integralidade e a paridade.   
Caso estas garantias sejam retiradas daqueles que ingressaram até 2003, seremos obrigados a trabalhar mais 5/ 10 anos, sob pena de termos os proventos reduzidos a 70 por cento no ato da aposentadoria e, em  10 anos, sem paridade com os da ativa, reduzidos a menos de um salário mínimo.
Quando se deseja organizar a previdência presume-se que todos contribuam de maneira justa, mas não há uma linha sequer sobre reforma de privilégios dos parlamentares. 
Para os novos servidores que ingressarem a partir de agora sim. Já vão fazer o concurso sabendo das novas condições. Mas mudar as regras em um total desrespeito aos servidores que quando se submeteram ao certame o fizeram sob determinadas condições sem as quais talvez tivessem optado por permanecer na iniciativa privada !
Outra questão que cabe uma pergunta e quanto ao FGTS? Passará a ser pago ao servidor público ? Já que a integralidade e a paridade era uma compensação ao fato de não terem direito ao FGTS.

Leia "parte" do substitutivo que está em tramitação no Congresso Nacional
 substitutivo ao texto original da Proposta de Emenda à Constituição 287, de 5/12/2016, de relatoria do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) e aprovado em 3/5/2017 na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, alterou substancialmente as regras inicialmente previstas para a reforma previdenciária.
.
A regra para a aposentadoria voluntária sofreu expressiva remodelagem, tanto no que tange à idade quanto ao tempo de contribuição necessário para a concessão do benefício (além da extinção da aposentadoria voluntária com proventos proporcionais). De agora em diante, o inciso I do parágrafo 1º do artigo 40 estabelece como requisitos para a aposentadoria voluntária a idade mínima de 65 anos de idade, se homem, e de 62, se mulher.

Nota-se, portanto, que o substitutivo estabelece hipótese restritiva do direito à integralidade previsto na redação original da Constituição da República de 1988 e assegurado pela EC 41/2003 aos servidores que ingressaram no serviço público até aquela data, pois apenas aqueles que atingirem a idade mínima exigida poderão manter a totalidade de suas remunerações ao adentrarem na inatividade. Não bastasse, foram totalmente desconsideradas as regras previstas na Lei 10.887/2004.

A paridade[7] com os servidores ativos será garantida tão somente aos que completarem os requisitos para a incorporação de proventos integrais, quais sejam, os que adentraram no serviço público até 31/12/2003 e que tenham 65 anos de idade, se homem, ou 62, se mulher


O próximo passo para a aprovação da PEC 287/2016 será a votação pelo Plenário dessa da Câmara dos Deputados e, caso aprovada, seguirá para tramitação no Senado.

LEIA TAMBÉM

PREVIDÊNCIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS EM XEQUE

REESTRUTURAÇÃO DE CARREIRAS DE SERVIDORES SAI ATÉ FIM DO MÊS

DEZ MOTIVOS PARA LUTAR CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA (PEC 287/2016)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as