Pular para o conteúdo principal

SERVIDOR PÚBLICO: O FUNCIONÁRIO DO PATRÃO "QUEBRADO"? - OPINIÃO

FOTO: HAMILTON SILVA
Hamilton Silva é Economista e Jornalista, diretor da Associação de Blogueiros de Política

SERVIDOR PÚBLICO: O FUNCIONÁRIO DO PATRÃO "QUEBRADO"?
Não é novidade para ninguém e mais claro ainda para os servidores públicos de maneira geral que existe de fato uma campanha sistemática de dilapidação e desvalorização dos trabalhadores e colaboradores de serviços que somente concursado e extremamente qualificados podem corroborar para uma melhoria significativa da qualidade de vida de nossa sociedade.
Também não é novidade para ninguém o grau de depressão econômica que a comunidade em desenvolvimento e países emergentes sofreram e sofrem numa nefasta discussão ideológica. Aprofundar, contextualizar e sedimentar o serviço público como serviços de extrema necessidade tornou-se destrutivos com as "campanhas" que citei no parágrafo anterior.
Essa depressão econômica levou as pessoas passíveis de patrulhamento à vitimas da campanha NEFASTA  a inúmeras reflexões negativas, como sair do país, de si, enfim, chegando ao extremo do ser humano. No caso do governo local, as inúmeras Funções Gratificadas disponíveis aos técnicos de carreiras foram "cortadas" e colocadas para filiados e simpatizantes do partido dominante. Objeto utilizado para equalizar as inúmeras injustiças causadas pela ausência de um PCS (Plano de Cargos e Salários).
Cabe ressaltar que tudo isso não é, nem de longe, privilégio, muito pelo contrário. Diante de tantas seduções promovidas pela grandiosa riqueza nacional o agente público deve estar protegido das investidas de lobistas e doleiros. 
O "quadrado" é a personificação da capital administrativa
Não é à toa que os vários pré-candidatos que entrevistei têm um ranço contra o servidor público. Atribuo isso à face canibal dos sindicatos.
Brasília sempre terá como característica principal o fato de ser o centro administrativo do poder e do serviço público administrativo. Esses pré candidatos que pautam suas campanhas numa pauta nacional privatista e de Estado mínimo podem estar dando uma recado  errada ao eleitor de Brasília onde a maioria é composta de servidores públicos Posicionar-se contra o eleitor  brasiliense pode se transformar numa rejeição como a do atual presidente da república cujos índices  são os mais baixos da nossa história republicana,  ou seja, zero ou  próximo do zero.
Veja e analise que os últimos governos que ocuparam o Buriti sempre tiveram um respeito significativo aos servidores e talvez seja por isso que a esquerda predominou.
O desafio seja para os atuais governantes ou  para os que virão é não excluir definitivamente o serviço público dos meios de produção e ou dos meios que proporcionam maior qualidade de serviços prestados pelo Estado. O cerne da questão é revitalizar, enxugar e fazer prevalecer a meritocracia como meio de qualificar e focar na excelência, revitalizando as escolas de formação. ESAF, ENAP...
O clima terrorista criado pelos atuais governantes
Com a política adotada de não priorizar os concursados em detrimento dos "Comissionados", a administração pública se depara com uma desesperança, imobilismo, desmotivação e doenças psicossomáticas que justificam e engrossa as estatísticas da campanha pejorativa dos atuais gestores.
Com tão poucas Funções disponíveis, Plano de cargos de Salários Defasados e salários achatados pela inflação, nos deparamos com um canibalismo travestido de competitividade interna visando "migalhas" de horas extras que raramente são pagas e por horários que possam justificar uma acréscimo, mesmo que ínfimo, em suas remunerações ou indenizações. Repito, não são privilégios, mas conquistas ao longos de décadas.
Para se manter no poder das decisões e contemplar seus cabos eleitorais, movimenta-se  o balcão de negócios e os pequenos agrados aos comissionados a seu Bel prazer demitindo ou movimentado-os horizontalmente na estrutura administrativa ao ponto de ser um dos principais instrumentos que viabiliza a permanência no limite prudencial. 

Conclusão: 

Dizimar o servidor de carreira é em última instância acabar com as instituições uma vez que é o servidor de carreira, selecionado da forma mais democrática possível, através de concurso público, de forma meritória, em que são selecionados os mais bem preparados, é aquele que veste a camisa da instituição. Em outras palavras, é acabar com aquele que se sente parte da Casa onde trabalha, conhece sua história, defende seus valores, se compromete com a missão institucional, bem diferente do comissionado ou terceirizado que cuja permanência na função é temporária e ao sabor dos interesses de quem o nomeou. A quem interessa acabar com o servidor de carreira? Àqueles que não tem nenhum compromisso com as instituições mas apenas com os interesses momentâneos e ocasionais que os movem: aos corruptos e seus interesses particulares.




  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.