Pular para o conteúdo principal

NOTÍCIAS DO PLANALTO CENTRAL - OPINIÃO


Hamilton Silva é jornalista e diretor da Associação Brasiliense dos Blogueiros de Política

As coisas estão quentes por aqui, e não é tempo de dá gelo em nada em nenhuma possibilidade. Tá tudo fervilhando, aliás tudo sinaliza para uma grande erupção a qualquer momento e em qualquer intensidade, ou seja, muitas  incertezas. 

O Tempo 

Parece que vivemos reféns do ano de 2016, sim insistimos em não avançar, denúncias contra os mais abastados da república e da capital também fazem da nossa rotina uma dolorosa realidade para a nação e em particular para os brasilienses resilientes a tantos rótulos a que somos submetidos. De qualquer maneira, nossos governantes locais já movimentam a burocrática máquina candanga com vistas ao dia 07 de outubro próximo.
O tempo é arrastado para muitos, mas não para nós que temos contas a pagar e filhos para educar. Talvez seja lento para Geddel, Gim e Funaro, mas para Temer  o tempo é diamentralmente oposto, hostil, pois  no tempo de vida em que se encontra poderia optar por mais calmaria ou navegar em mares de maior popularidade já que o discurso de elevar nossas condições econômicas não harmoniza com a verdade, principalmente quando insiste numa reforma previdenciária que penaliza o contribuinte.
Parece que foi ontem a festa dos socialistas ao tomar posse no Buriti, mas não foi. O fim parece muito mais próximo do que as avaliações profícuas de quando assentados no Palácio às 11:00hs em primeiro de janeiro de 2015. 
Mesmo com  ações mais populares, como contratação de concursado, o estrago  na vida dos servidores do governo foi quase insolúvel. Onde está o rumo certo?
O tempo é duro com aqueles que desejam estar no poder, com aqueles que pleiteiam entrar, mas não dizem a que vieram e por motivos óbvios estão contando os dias e a horas para que seus nomes não sejam envolvidos em novos contratempos.
O  fato é o que o tempo não discrimina ninguém, não perdoa ninguém.


Corrupção estatela os probos

"Tudo farinha do mesmo saco" (A expressão surgiu do fato de a farinha boa ser colocada em sacos diferentes da farinha ruim.). A conjuntura direciona para um total desespero, falta de uma arquétipo justo que possa conduzir a sociedade para os trilhos no que diz respeito à boa política. Eu mesmo fui alertado por amigo que não deveria ser tão "rotulista". 
Mas não adianta espernear, xingar ou escrever "textão".
De modo que a expressão pode ser usada da maneira que você quiser, mas que o poder destrutivo dela é tão nefasto quanto as práticas criminosas que os agentes públicos alimentam por décadas.
Desconstruir imagens ou reputações, além de estar na moda é algo muito mais fácil de se conseguir, haja vista o poder dos blogues e mídia de maneira geral repletos de exemplos históricos de destruição de reputações,  negócios e vidas. E o ódio dá sustentação ao enfoque nas negatividades dos agentes.
O fato é que a "erva daninha" tomou conta da plantação e os bons frutos estão contaminados com a pecha dos maus: Costumes, homens, comentários, pensamentos e condutas. De sorte o mal não prevalecerá sobre o bem.
O Honrado, probo; que apresenta um excesso de honestidade; cujo o caráter é bom e integro parece cada vez mais raro tamanha é a cultura do "jeitinho", talvez devemos depurar nossos olhares, conversar ainda mais e caçar com lupa os que desejam trabalhar de forma missionária para nossa sociedade. De forma menos mercantilista ou assistencialista, mas que compartilhe as responsabilidade do seu mandato. Que construa mais, que desqualifique menos e tenha como foco o bem comum em detrimento do enriquecimento pessoal. 
Essa avaliação não tem restrição geográfica. Vale tanto para cá (O DF) quanto para lá o BR.
Não tem credo, raça ou cor partidária não há idade nem condição econômica. Ao que tudo indica levaremos décadas para depurar o que de ruim esses homens fizeram ao Brasil principalmente nos últimos anos.

Tudo como dantes no quartel d'Abrantes

"...surgiu no início do século 19, com a invasão de Napoleão Bonaparte à Península Ibérica. Portugal foi tomado pelas forças francesas, porque havia demorado a obedecer ao Bloqueio Continental, imposto por Napoleão, que obrigava o fechamento dos portos a qualquer navio inglês. Em 1807, uma das primeiras cidades a serem invadidas pelo general Jean Androche Junot, braço-direito de Napoleão, foi Abrantes, a 152 quilômetros de Lisboa, na margem do rio Tejo. Lá instalou seu quartel-general e, meses depois, se fez nomear duque d’Abrantes."

O general encontrou o país praticamente sem governo, já que o príncipe-regente dom João VI e toda a corte portuguesa haviam fugido para o Brasil. Durante a invasão, ninguém em Portugal ousou se opor ao duque. A tranquilidade com que ele se mantinha no poder provocou o dito irônico. A quem perguntasse como iam as coisas, a resposta era sempre a mesma:



A inoperância do governo local nos leva a tal expressão idiomática famosa, mas vale para os dois governos aqui instalados, mas conflitua  com  malabarismos de tais governos para sofisticar suas defesas. No caso do Buriti a ingerência dos serviços públicos e no caso de Temer vale a defesa jurídica onde: objetivo conceder ao réu o direito de se valer de amplos e extensos métodos para se defender da acusação, visto que é parte hipossuficiente ou mais fraca da relação jurídica, ante a força do Estado.
No caso do governo federal o Meirelles tem feito o papel do "obreiro", tocado as obras e encarado as dificuldades operacionais, no caso de nosso quadrado o governo, por características pessoais do eleito e assentado no palácio, não temos um "tocador". Tem-se um rascunho burocrático de tal figura, uma intransigente e "mão-de-ferro" conduzindo o planejamento socialista advinda da burocrática e corrompido Câmara Alta do Congresso.


O silêncio dos inocentes

Pode até não ter feito nada de errado, mas o silêncio não expõe "tanto" aqueles que ainda desejam continuar na vida pública. Só que esse silêncio tem um preço: O alto barulho  da conveniência e conivência dos absurdos praticados.
Mas não dá para se calar diante dos maus feitores da nação e dos incompetentes do nosso "quadrado".
O inocentes (sub entenda correligionários, comissionados, aliados e puxa sacos) irão estar na memória sim pela inoperância "burrocratas" e corrupta. E os inocentes inertes poderão conviver com mais alguns anos abraçados às "figuras" mais ineptas que já vimos no Distrito Federal. Não que não houvessem outros ainda mais bizarros, mas o que se vê na dita oposição ao Buriti é um misto de "samba do crioulo doido" com "santo-do-pau-oco" . Sim sim pessoas dissimuladas querendo passar desapercebida diante de tamanha exposição que um cargo público exige. Incongruência e insensatez, ou seja de inocentes não tem nada. Isso vale para cá no DF e para lá no BR.
E finalmente tem aqueles que se metem e dão pitaco em tudo para conseguir mídia e polemizar, já que o ostracismo não elege ninguém, principalmente para aqueles que necessitam desesperadamente de uma proteção: O Foro Privilegiado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.