Pular para o conteúdo principal

EM ENTREVISTA EX-BBB AFIRMA QUE AS PESSOAS QUEREM UM LíDER

Cargos Comissionados:“Hoje a livre nomeação é igual a cabo eleitoral.” Disse Rômulo Neves filiado à Rede.

ABBP ENTREVISTA EX-BBB

O ex-BBB e diplomata Rômulo Neves, disse à Associação de Blogueiros de Política de Brasília que deseja ser candidato a deputado federal pela Rede, mas que não deseja avaliar um quadro em que tenha que concorrer ao Buriti. A coletiva está em sua 25° edição e é realizada em parceria com Associação Comercial do Distrito Federal.

Críticas ao Governo -"Eu ajudei a montar o Governo" 

"Se toda vez que o secretário vai tomar uma decisão ele precisar verificar se tá agradando a beltrano ou ciclano e o governador joga a pressão pra cima dele, ele não sabe nem o que fazer." Sobre o governador disparou "Ele tem que fazer o plano de governo ou agradar o deputado X,Y ou Z? 
Com uma mente aberta e com uma posição mais ao centro o ex-chefe de gabinete do atual governador de Brasília, disparou contra o chefe do executivo se colocando definitivamente não oposição. Sem papas na língua avaliou a política nacional e discorreu sobre a inveja, inoperância e ineficiência dos gestores distritais e da disputa pela organização partidária (PSB) se demostrando totalmente desinteressado, a época, apesar de ajudar na organização dos últimos anos.
Rômulo mostrou irritação quando indagado do relacionamento com Marcos Dantas, mas com conhecimento da estrutura do Buriti, afirmou nunca ter aprendido tanto como aprendeu no governo de transição: 
"O  período que mais aprendi, mais que todos livros que li, mais que todas as faculdades que fiz, mais que todos mestrados que fiz, foram os dois meses de transição. Eu trabalhei dezessete horas por dia no Centro de Convenções, sentado ouvindo a população, como a gente não tinha nenhuma decisão a tomar a gente ouvia a população."

Lamentou e desabafou o rumo que o PSB tomou depois de assumir o governo.  Deixou subentendido as vaidades, intrigas, leniência, ciúme e preguiça e até mesmo as ingerências praticadas pelo governador. Afirmou veementemente que o primeiro escalão de governo não poderia assumir concomitantemente a presidência do PSB. Afirmou que o Correio Braziliense pautava o governador nessa briga interna:

 "Você tá louco? você vê debate interno e você lê o Correio Braziliense e o Correio Braziliense te informa? Você ta vendo aqui o que a gente tá falando, você tá doido? Você tá com dúvida se eu quero ser presidente do PSB eu vou te fazer um favor...eu não quero  ser presidente do PSB eu não quero ouvir falar em eleição do PSB eu quero que...saí desse debate."

Rede Globo - "Isso aqui é uma oportunidade de eu colocar meu nome na praça"

O Político ressaltou no início da entrevista que “bateu de frente” com a Rede Globo por discordar da política de edição, pois é a Globo  que a define, mas ressaltou a importância da receita gerada pelo reality para a companhia e revelou que 60 milhões de brasileiros que assistem o programa global. Disse, também, que a estrutura e escolha dos participantes é detalhada e muito bem planejada pela diretoria da empresa. Depois de receber um convite para participar do programa avaliou racionalmente que poderia ser algo “bom” para seu projeto de futuro candidato." Não é minha praxe falar groselha" classificando o programa baixo de entretenimento. E disse também:"Quem me exergava (durante o programa) como parte do governo não acompanhou minha saída do governo;" Reforçando seu descolamento do GDF.

Eleições 2018 - "Os 45 dias para os candidatos majoritários ele serve"

"Todos querem um líder, não importa se o cara é da esquerda ou da direita de centro  de cima ou de baixo ele não está nem aí então, ele (eleitor) precisa ver uma liderança, por isso a Marina (Silva) não consegue ocupar esse espaço do meio que eu gostaria de ocupar e  em Brasília é o melhor lugar para se ocupar o lugar do meio sabe por que? As pessoas tem mais informação, as pessoas tem mais senso crítico." "E eu estou me candidatando a deputado federal porque o Brasil precisa de um norte."

Na política foca na dicotomia dos agentes responsáveis pela polarização dos debates e amplia seu discurso focado em ideias e temas para construção de uma carreira política e não em pessoas. Neves tem sim preparado desde 2010 para um mandato eletivo. "Candidato desconhecido com muito dinheiro ele tem alguma chance. O candidato desconhecido e sem dinheiro ele não te nenhuma chance."
Perguntado sobre o mandato de deputado federal e como poderia contribuir sem ser “amassado” pelo mandato, esqueci pela comunidade local, o diplomata e pré-candidato respondeu que essa era a pergunta mais difícil, mais que fazer uma política diferente resolveria parte dos problemas. E foi enfático quanto à reeleição: “É o pior câncer que existe na política brasileira.”

Rômulo não tem plano “B”,  mas afirmou o seguinte: "Seria candidato a governador com altíssimo risco de não ganhar "Vamos Supor que chegue daqui a dois meses eu olhe  para o cenário e não tem nenhum candidato para governador viável... e não tem uma candidatura alternativa...se eu olhar pra situação e ninguém tiver coragem de enfrentar (Rollemberg) eventualmente eventualmente. " Eu não desejaria que isso acontecesse" explicando uma falta de candidatos capazes de disputar com com chances de ganhar de Rodrigo Rollemberg.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.