Pular para o conteúdo principal

CADÊ O HOT DOG? - OPINIÃO

FOTO: HAMILTON SILVA
Hamilton Silva é Jornalista, economista, empregado público e diretor da Associação dos Blogueiros de Política de Brasília e entorno

Com menos de um ano para o pleito eleitoral tem gente de todo tipo que aparece como candidato, seja a federal, seja a distrital e até pra governador. O Odir tem toda razão: O cara toma umas cangibrinas com alguns pé inchados no bar da esquina e já se acha no direito de sair candidato. Ora vejam só quanta  pretensão.

Algumas semanas atrás coloquei em meu grupo de "whats" ou zap zap, como queiram uma figura dessas. Sem saber que seria tão degradante a sua participação fiz vistas grossas por alguns dias e não dei muita bola mas...

Com uma campanha já deflagrada (não levando em conta sua certa impugnação), suja e de péssima qualidade o tal hotdog (apelido do meliante) se sustenta tirando fotos com figuras  públicas e frases mal feitas geradas na mente do psicopata tarado aficionado no longínquo poder. Ô dó.

O cara sem noção completa, se achava  no direito de autoproclamar-se o "salvador da pátria", totalmente despreparado só reclamava e batia nos políticos que aí estão sem nenhuma propositura ou contexto lançava frases sem nexo comprometimento com debate de idéias. Sem nenhuma proposta, parecia viver no mundo fictício. Poxa vida, podia ao menos escrever corretamente.
Daí numa bela noite de silêncio tal Cachorro Quente partiu para ataques pessoais a pessoas trabalhadoras e idôneas participantes do grupo e aquilo foi me subindo pra cabeça mas que no fim me proporcionou de fartas gargalhadas, mas também a uma decisão muito triste e sem volta. Tinha que rir para não chorar. 

Tive que excluir, não só do grupo de "whatsapp", mas de toda minha vida de cidadão. Não de minhas reflexões cotidianas: Será que não tem "se mancol" uma figura dessas? Ou um "desconfiômetro"? Ou quem sabe os amigos não podiam alerta-lo do mal que está fazendo a si mesmo?

Enfim, o cara sumiu, mas ainda veremos muitos dessas figuras caricatas suburbanas até outubro do ano quem vem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as