Pular para o conteúdo principal

DÓRIA: ESTADO MÍNIMO

FOTO: INTERNET - HAMILTON SILVA


Na tentativa de manter um discurso em defesa de um Estado mais enxuto e menos corrupto, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), decidiu comprar briga com os funcionários de estatais, mais precisamente, da Petrobras, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.


Em evento com empresários do setor de infraestrutura, em São Paulo, Doria defendeu a privatização da Petrobras, que foi alvo do maior esquema de corrupção da história, e a fusão do Banco do Brasil com a Caixa Econômica Federal, projeto que chegou a ser cogitado no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Para ele, o excesso de estatais abre espaço para “tantos braços e tentáculos”, o que dificulta o controle e a eficiência. “Eu defendo uma privatização gradual da Petrobras para que não haja prejuízo para seu corpo funcional, que é muito bom e sério. A Petrobras foi muito afetada pelo assalto do PT ao longo de 13 anos, mas é uma instituição de valor e pode, gradualmente, caminhar para sua privatização sem prejuízo funcional, humano ou estratégico para o Brasil”, afirmou o prefeito, candidatíssimo à Presidência da República.

Sobre a fusão do BB com a Caixa, Doria disse não ver razão para o Brasil ter dois bancos públicos atuando nos mesmos segmentos. Para ele, o melhor caminho, nesse caso, não é a privatização, mas a junção das estruturas. BB e Caixa passariam a ser uma única instituição pública, permitindo maior controle sobre ela. Ele reconheceu, porém, que a fusão do BB com a Caixa teria que ser embasada em um estudo técnico. “Não pode ser feita de sopetão. Deve-se respeitar as duas instituições, avaliar a hipótese de uma fusão, sem gerar desempregos”, frisou.

Na avaliação de Doria é possível formar um banco de altíssima competitividade e extrema competência, além de evitar a sobreposição e o uso político também. “Nas delações da Lava-Jato, sobretudo a Caixa Econômica Federal, houve o uso de vice-presidências e diretorias para fins políticos. A instituição financeira tem que estar longe de qualquer influência desse tipo”, assinalou.
Por:Vicente Nunes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.