Pular para o conteúdo principal

"CADA UM QUER DERRUBAR O OUTRO"

FOTO: HAMILTON SILVA
Hamilton Silva é economista e jornalista diretor da Associação dos Blogueiros de Política de Brasília


CADA UM QUER DERRUBAR O OUTRO
“Chamaremos de autoridade o direito de dirigir e de comandar, de ser escutado ou obedecido pelos outros; e de ‘poder’ a força de que se dispõe e com cuja ajuda se pode obrigar os outros a escutar ou a obedecer" Perelman, Chaïm
Pensa comigo
Hoje estava numa sala, no meu local de trabalho, com vários colegas, e ouvi o seguinte questionamento:
-Quer dizer que uma pessoa obesa não pode dar uma palestra sobre alimentação saudável?
O interlocutor, adepto do fisiculturismo, respondeu atônito:
- Claro que não. Sendo assim, um alcóolatra poderia ministrar um curso no AA? Faça-se aqui uma breve reflexão: o alcoolismo não tem cura, portanto, o que se faz em programas de recuperação de dependentes é nada mais do que o controle diário da dependência, logo, os palestrantes nada mais são do que  dependentes sim mas com a consciência do que devem e do que não devem mais fazer  com relação ao consumo de  bebidas alcóolicas. E se formaram como autoridades no assunto, viveram experiências que somente eles poderiam compartilhar com outros gerando neles mesmos autoridade para ministrar o tema.
No caso do exercício do poder, penso que seja essencial  que sua legitimidade seja reconhecida, que ele angarie o consentimento geral daqueles que lhe são sujeitos.
"O gângster ou o tirano exerce um poder sem autoridade. " 
FOTO: INTERNET - HAMILTON SILVA
Logo em seguida, assistimos  na TV uma declaração da nossa maior autoridade constituída, nosso maior arquétipo constituído,queiramos ou não...O Presidente daRepública, Michel Temer, fez a seguinte declaração:
"Cada um quer derrubar o outro", não fosse outra pessoa a declarar tal coisa, não fosse outra autoridade a exercer seu oficio, eu não prestaria tanta atenção no que o pmdebista havia dito.
Ora, vivemos exatamente no País que ele descrevera, quem poderia discordar? Quem poderia se opor àquele que se oportunizou diante da fraqueza política da "presidenta"? Na verdade, ele estava falando dele mesmo, ou estou equivocado? hahahahahahahahah
Ele está coberto de razão, infelizmente tenho que concordar, afinal, quando furamos a fila no trânsito ou no banco estamos praticando o que nossa autoridade maior descreve em sua frase.... esta é a realidade a qual devemos combater, lutar para que mude, fazer tudo que pudermos para que esta situação se modifique quem sabe para as futuras gerações. E esta mudança passa necessariamente por atitudes e ações construídas na ética e no respeito aos demais, valores que certamente o Presidente desconhece, afinal, ele chegou    onde queria exatamente porque age como ataca: derrubando todo mundo.
O jeitinho brasileiro”, como é conhecida a nossa capacidade de flexibilizar situações, justifica, em tese, a afirmação do Presidente Temer:
Comprar CNH, Carteirinha de estudante falsa, sonegação de imposto, enrolar no horário de trabalho, comprar produto pirata e gatonetseriam apenas alguns exemplos.
Quando tentamos ludibriar pessoas ou edificar a "cultura do jeitinho" estamos potencializando a autoridade de nossos arquétipos e modelos constituídos da pior maneira, mas fatalmente estamos enfraquecendo nossa autoridade moral.
Ainda que não concordemos, ainda que ensinemos nossos filhos outros valores, ainda que tenhamos uma conduta diferente, oPresidente falou a verdade ao dizer  a tal frase. Ainda bem que não somos obrigados a ouvi-lo,nem a  obedecê-lo.

Revista por Walesca Borges

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.