Pular para o conteúdo principal

BURITI SINALIZA FIM DAS FARRAS DOS COMISSIONADOS

Foto: Josemar Gonçalves - Hamilton Silva
Governo pede obediência à lei que exige que pelo menos 50% dos comissionados sejam efetivos


Uma cartinha enviada a todas as administrações regionais do DF informa o que o Ministério Público e o Tribunal de Contas vêm insistindo há tempos: pelo menos 50% dos cargos em comissão devem ser preenchidos por servidores de carreira. E, ressaltando que o governo está impedido de aumentar gastos com pessoal pela Lei de Responsabilidade Fiscal solicita que os administradores se esforcem “para o enquadramento da situação do órgão aos patamares observados na Lei Orgânica do DF”.

Conforme o governo, os gestores podem solicitar quadros efetivos para compor as administrações, ocupadas historicamente por apadrinhados políticos. O documento, que foi encaminhado pela Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, tem caráter informativo, segundo a pasta. “E tem a finalidade de orientar os órgãos a cumprir o entendimento do Tribunal de Contas do Distrito Federal sobre dispositivo da Lei Orgânica que estabelece, no mínimo, 50% dos cargos em comissão devem ser ocupados por servidores efetivos”, diz o governo.
Em nota, a secretaria pontua que, quando se observa a comparação dos cargos comissionados ocupados por servidores efetivos e os de livre provimento em todo o Distrito Federal, o percentual de servidores com vínculo em cargos de direção, chefia e assessoramento é superior a 50%. Mas o entendimento da Tribunal de Justiça é de que essa contagem tem de ser individualizada.
Quatro anos atrás, o Tribunal de Justiça esclareceu uma questão referente à interpretação da lei que exige o preenchimento de vagas por efetivos. Na época, o Conselho Especial do TJ decidiu que o cálculo do limite mínimo de 50% deve ser feito em relação a cada órgão público e não ao total de vagas da administração pública, como os governos vinham defendendo. A ação direta de inconstitucionalidade foi proposta pelo Ministério Público.
Concurso de remoção
Secretário das Cidades, Marcos Dantas repete que o número total obedece à lei, mas quando a conta é feita por órgão, o percentual não é atingido. “Estamos fazendo esse debate no interior do governo para ver quais medidas poderão ser tomadas para poder atingir as metas”, conta, ao lembrar que é preciso considerar que o governo está impedido de aumentar os gastos com pessoal, por conta dos limites impostos pela LRF. E cogita um concurso interno para remoção de servidores como opção.

“Nós solicitamos à Secretaria de Planejamento que fizesse um estudo e nos ajudasse a construir uma alternativa”, explica, ao reiterar que o governo está tentando encontrar uma solução definitiva para o problema. “É uma preocupação do governador, não só para atender à lei, mas, o mais importante: para profissionalizar a gestão”, diz.
Tribunal de Contas do DF também recomenda
Na carta enviada aos administradores, o governo menciona a recomendação do Tribunal de Contas para que a legislação seja observada. A questão da composição de servidores foi lembrada também no julgamento das contas do primeiro ano do governador Rodrigo Rollemberg, nesta semana.

“A elevada rotatividade dos funcionários públicos sem vínculo afeta a qualidade do serviço prestado”, mencionou o conselheiro Renato Rainha, no voto, que, no fim das contas, recomendou a aprovação das contas, “apesar das graves irregularidades”, seguindo o relator, José Roberto Paiva Martins.
Rainha observou que a prática de ter comissionados sem vínculo na maioria dos cargos de confiança tem sido comum no DF. “Claro está que o Poder Judiciário não tem dado guarida a essa reiterada conduta irregular”, disse, ao citar que recursos contra a determinação foram rejeitados até no Supremo Tribunal Federal (STF).
O relatório de Paiva Martins citou, inclusive, que foi observado, no fim de 2015, que 57 unidades da administração tinham a maioria dos cargos ocupados por comissionados sem vínculo. O problema, diz Rainha, foi notado em especial nas administrações regionais.
Dividir responsabilidade
Na busca de uma solução para o impasse, que envolve não só o TCDF, mas decisões da Justiça comum e o Ministério Público, o secretário Dantas rechaça a hipótese de que o Executivo esteja com a intenção de dividir a responsabilidade com os administradores, ao deixá-los cientes do que estabelece a legislação. “Esta é uma questão histórica do governo que agora aparece mais agudamente. Mas já estamos buscando soluções”, explica.


Fonte: Milena Lopes do Jornal de Brasília

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

Coluna: Noticias do Planalto Central

Recesso Depois de duas semanas de folga a coluna Notícias do Planalto Central volta no mesmo ritmo da Câmara Legislativa: com muita leitura e atento aos movimentos dos deputados. Assim como muitos deles sedento por informações, já que estão com a boca fechada e não abrem por nada. Nesta fase de negociações os segredos devem ser preservados.  Busca por um partido Nesta toada de observações muitos distritais estão desesperados por um "lugar ao sol". Explico: Muitos dos que hoje são deputados não o serão no próximo verão. Mas não é só por causa das novas regras, a tal clausula de barreira e sim porque muitos dos excelentíssimos deixaram a desejar e são muitos ruins mesmo.  Mulheres Este colunista discorreu a relevância das mulheres nas próximas eleições e destaquei aquelas que irão concorrer à uma vaga de deputada federal. Leia lá .  O jogo muda completamente quando falamos das mulheres na Câmara Legislativa do DF. As distritais que hoje ocupam duas cadeiras poderão ficar ainda