Pular para o conteúdo principal

BRASÍLIA GANHA PRIMEIRO CENTRO DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA

FOTO: PRESS COMUNICAÇÃO-HAMILTON SILVA

Iniciativa da Secretaria Adjunta do Trabalho busca fomentar o empreendedorismo e gerar renda de pequenos empreendedores e cooperativas

Cada vez mais, a capital federal tem se mostrado empreendedora. No último 31 de agosto, quinta-feira, foi inaugurado o primeiro Centro de Economia Popular e Solidária (CEPES), uma iniciativa da Secretaria Adjunta do Trabalho (Seatrab) do Distrito Federal (DF). O espaço fica bem no centro da cidade, no Setor Comercial Norte (Quadra 1), revitalizando um espaço público que estava ocioso. A ocasião também foi marcada pela assinatura do decreto que regulamentou a lei de economia popular solidária, nº 4.899, de 2012, que desde então aguardava por esta iniciativa.
O CEPES servirá como referência para a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE). Além disso, possibilitará formar e capacitar tecnicamente os trabalhadores dos empreendimentos, por meios de parcerias com instituições. Serão beneficiados aqueles trabalhadores que têm como fonte de renda trabalhos baseados na produção manual, como artesãos e produtores rurais, bem como suas respectivas cooperativas.
O Secretário Adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour, destaca o papel social do CEPES. “A nossa principal tarefa será acender o protagonismo e empoderar aqueles que, muitas vezes, ficam invisíveis. São trabalhadores que precisam de apoio para impulsionar ainda mais seus negócios, que garantem o sustento de suas família”, destaca.

O Governador Rodrigo Rollemberg, que esteve na inauguração, destacou a importância da iniciativa em um momento de dificuldades econômicas que o país enfrenta. Ele ressaltou ainda que, mesmo com os cortes de gastos que o governo tem feito, a área social tem ganhado reforços de investimentos.

O CEPES é um importante espaço para realizar atividades, capacitações, palestras, seminários, entre outros suportes que promovam e divulguem a economia solidária. O espaço funcionará integrado com o Cadastro Nacional de Empreendimentos Econômicos Solidários (CADSOL), do Ministério do Trabalho, sendo um dos pontos de registro dos interessados. Com isto, eles passam a participar de programas do governo local e federal, podendo profissionalizar ainda mais seus empreendimentos.

Para a artesã da Rede Pequi Patrícia Almeida, que falou em nome dos artesãos presentes, a iniciativa atende um anseio antigo da categoria. “Este é o ponto de partida para muitos projetos que virão. Esse lugar é nosso”.

Ponto de apoio
Além de servir dar as devidas orientações e capacitações para os empreendedores, o espaço também vai promover os trabalhos dos empreendedores solidários. Um vez por mês, o estacionamento em frente ao CEPES vai abrigar uma feira para comercialização dos produtos. Os interessados em participar só precisam procurar o centro e preencher os pré-requisitos.



Definição
Segundo Paul Singer, professor aposentado da Faculdade de Economia e Administração da USP, economia solidária é um modo de produção que se caracteriza pela igualdade, tendo a produção como posse coletiva dos que trabalham. “Os empreendimentos desse segmento são geridos pelos próprios trabalhadores coletivamente de forma inteiramente democrática. Isso quer dizer que cada sócio, cada membro do empreendimento tem direito a um voto”, explicou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000