Pular para o conteúdo principal

ARRECADAÇÃO SOBE, MAS GDF AFIRMA QUE CONTAS CONTINUAM NO VERMELHO

FOTO : INTERNET - Hamilton Silva

Em tempos de ameaça de parcelamento de salários de servidores, o Governo do Distrito Federal teve uma melhora na arrecadação de impostos e taxas em agosto de 2017. Ao todo, recebeu dos contribuintes R$ 1,2 bilhão, montante 5,14% maior do que no mesmo período de 2016, quando a arrecadação atingiu a marca de R$ 1,1 bilhão.
O percentual representa o retorno do crescimento real da arrecadação. Com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial brasileira, em 2,46%, o aumento nominal dos tributos ficou em 2,68%. Mesmo assim, o GDF mantém o discurso de que a única salvação para garantir o pagamento integral da folha é a aprovação, pela Câmara Legislativa, do PLC nº 122/2017, que altera as regras da previdência dos servidores.

Depois do resultado desastroso do mês de julho, a alta na arrecadação foi impulsionada por dois fatores. O Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) registrou incremento de 79,64% em agosto, se comparado ao mesmo mês de 2016. Já o Imposto Sobre Serviço (ISS) bateu recorde neste ano, com alta de 16,98%. Os dois tributos têm impactos diferentes no cenário econômico local, mas trazem “otimismo” para o governo.
De acordo com o secretário de Fazenda do DF, Wilson de Paula, o acréscimo no percentual do IPVA está associado às políticas de cobrança realizadas pela pasta. “Estamos buscando um fisco mais colaborativo. De ligar, de avisar, de não deixar gerar multa para o contribuinte. É uma nova postura de monitoramento que começa a fazer efeito”, diz. A exigência do licenciamento dos veículos a partir de 1º de setembro também motivou uma corrida dos proprietários para quitar seus débitos.
O aumento no ISS, por sua vez, demonstra uma recuperação da economia. “É o maior ISS de 2017. Junto com ele, tivemos uma alta do ICMS de 3,21%. Os dois estão diretamente associados à atividade econômica. É um movimento nacional de retomada da economia. Os índices vão aflorando e nos deixam mais animados”, completa o chefe da pasta de Fazenda.
No entanto, ele faz ressalvas: “Ficamos otimistas, mas estamos muito distantes de um ponto de equilíbrio”. Segundo o secretário, o pagamento dos fornecedores ainda está dois meses atrasado; faltam R$ 170 milhões para pagar aposentados; e, em pecúnia, a dívida é de R$ 190 milhões. “O nosso único plano para não parcelar salários é a aprovação do PLC 122/2017”, ressalta.
Números
O IPVA representou um montante de R$ 48,1 milhões para o GDF em agosto de 2017, contra os R$ 26,8 milhões do mesmo mês de 2016. O ISS chegou a R$ 138,5 milhões no mês passado, contra R$ 118,4 milhões em agosto de 2016.

O ICMS, que é o índice de maior representatividade nas contas, alcançou R$ 619,9 milhões, em comparação aos R$ 600,6 milhões de agosto de 2016. Em maio e junho deste ano, o imposto teve queda e só voltou a se recuperar em julho, com 0,94%. Por isso, os 3,21% são significativos.
No acumulado dos oito meses de arrecadação com impostos e taxas, o GDF recebeu R$ 9,8 bilhões. Um crescimento de 2,57% em comparação com o mesmo período de 2016. Os dados preliminares são do Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo).
“Precisamos, agora, trazer Brasília para a normalidade. Respirar para pensar novas políticas públicas. Por isso, a importância do PLC 122. Temos uma folha de pessoal que cresce todos os meses. O valor chega a R$ 1,5 bilhão, sem contar a segurança e os percentuais de saúde e educação cobertos pelo Fundo Constitucional”, destaca Wilson de Paula.
Confira os números da arrecadação em agosto de 2017:
Impostos e taxas em geral
R$ 1.208.475.639,52

ICMS
R$ 619.989.131,81

ISS
R$ 138.586.919,54

IPVA
48.178.027,26

IPTU
71.426.310,38

Acumulado dos oito meses de 2017
R$ 9.840.262.233,01

 Por: Manoela Alcântara do Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000