Pular para o conteúdo principal

FILHOS VÃO GASTAR MENOS NO DIA DOS PAIS



Maioria dos filhos não pretende comprar presentes para o Dia dos Pais


É o que mostra a pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio. De acordo com o estudo, 37,3% dos entrevistados têm a intenção de presentear o pai, 46,5% não pretendem comprar presentes e 16,2% ainda não sabem. Os lojistas, por sua vez, estão otimistas: 43,1% deles esperam que as vendas este ano sejam maiores do que em 2016.

Os filhos dispostos a colocar a mão no bolso para homenagear os pais pretendem gastar, em média, R$ 142,12 com o presente. Quanto à forma de pagamento, 61,3% dos consumidores optarão pelo pagamento à vista.
Entre os lojistas entrevistados, 83% também disseram que vão manter o mesmo preço dos produtos praticados em 2016. O presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, explica que essa expectativa indica uma gradual recuperação das vendas após um começo de ano difícil. “Tivemos avanços positivos nos Dias das Mães e dos Namorados, mas ainda não chegamos no crescimento de dois dígitos, que é o esperado pelo empresário”, afirmou.



Na busca pelos consumidores, 59,4% dos empresários confirmam que utilizarão estratégias específicas de vendas para o Dia dos Pais. Nesse universo, usarão promoções (55,5%), divulgação, propaganda, rede social e panfleto (45,4%) e kit de produtos direcionados (26,1%).

Essas estratégias demonstram maior disposição do lojista para encantar o cliente e fidelizá-lo para novas compras em períodos sem apelo promocional. Apenas 5% dos entrevistados declararam que devem realizar contratação temporária para o Dia dos Pais. O preço médio do presente para data foi estimado pelos lojistas em R$ 150.

“O empreendedor é otimista por natureza e sempre enxerga alta nas vendas de datas comemorativas. Neste ano, particularmente neste período, observamos uma redução dos juros e do custo do crédito para o consumidor, além da inflação que está mais baixa do que a do ano passado, o que acaba ajudando o cliente”, destaca Santana. 

Por: Maria Eugênia - do Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria