Pular para o conteúdo principal

EXCLUSIVIDADE DO BRB É MANTIDA E GERA "CLIMÃO" ENTRE DEPUTADOS

A deputada Telma Rufino não queria exclusividade

O arquivamento da Proposta de Emenda à Lei Orgânica (Pelo) 35/2016, que pretendia retirar do Banco de Brasília (BRB) a exclusividade no pagamento dos servidores públicos, causou uma confusão na Câmara Legislativa. De autoria das deputadas Telma Rufino (Pros) e Celina Leão (PPS), o texto parou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e, por três votos e duas ausências, foi arquivado ontem. Telma se chateou com o presidente do colegiado, deputado Reginaldo Veras (PDT), para quem a proposta é desnecessária.


Portabilidade

“Hoje já existe o sistema da portabilidade, que permite o correntista insatisfeito transferir a conta para outra instituição sem nenhuma dificuldade ou burocracia. Além disso, o BRB é um banco de fomento econômico no Distrito Federal e que tem como maior capital os servidores. Se eles saírem, é melhor fechar o banco”, justificou o pedetista.

Sem critério

Para Telma, a exclusividade é danosa para os servidores, que estão cada vez mais endividados, já que as linhas de crédito seriam liberadas indiscriminadamente. A deputada diz ter sido procurada por inúmeros servidores que tinham 100% dos salários bloqueados pelo banco. Chateada com a postura dos deputados que compõem a comissão, ela disse se admirar do posicionamento de Reginaldo Veras, que tem origem humilde e, mesmo assim, quer manter a exclusividade do banco, que só prejudica os servidores que não têm como sustentar as famílias. Na opinião da parlamentar, somente a portabilidade não adianta nesses casos, porque o banco se negaria a negociar com os servidores.

Em causa própria

Todo mundo sabe que a família do deputado distrital Rafael Prudente (PMDB) atua no ramo de segurança pública terceirizada no DF, mantendo contratos com o governo. E ele não se furtou de marcar agenda com o governador Rodrigo Rollemberg e com o secretário de Fazenda, Wilson de Paula, para cobrar os pagamentos atrasados.

Críticas

Do chefe da Fazenda, Prudentinho ouviu a promessa de que a previsão do governo é pagar na próxima terça-feira. O gabinete do peemedebista divulgou que o Executivo não repassa os recursos para a empresas desde maio e, em alguns casos, desde abril. “Essa postura do governo é irresponsável, pois estamos falando de trabalhadores como vigilantes, merendeiras e os que atuam na área de limpeza. São famílias que deveriam receber os salários no início do mês. É um absurdo ficar mais uma semana sem salário. O governo precisa respeitar seus trabalhadores”, disse.

E o Valmir Campelo, hein?!

Considerando que é o deputado distrital Chico Leite (Rede) o articulador da aliança entre Joe Valle (PDT) e o PR de Jofran Frejat, uma das vagas de candidato ao Senado – caso a coalizão seja viável – seria do próprio Leite, que não esconde a intenção de tentar uma das duas cadeiras que serão disponibilizadas no ano que vem. A outra, do senador Cristovam Buarque, cujo partido, o PPS, tem conversas avançadas com o grupo de Joe. Neste caso, quem ficaria de fora da candidatura majoritária seria o ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Valmir Campelo, recente aquisição do PPS com a promessa de que seria um dos nomes da chapa.

À moda antiga

Campelo acredita que tem vantagem na disputa. Diz que os brasilienses são politizados e escolherão os experientes paga governar Brasilia. Embora reconheça que a próxima campanha será realizada muito mais no campo das redes sociais, ainda aposta que as reuniões com multiplicadores, em casa, são a forma mais eficaz de se conseguir votos. Só perderia para o velho e bom aperto de mãos, com direito a olho no olho.

Veto derrubado

Na primeira sessão de votação do semestre na Câmara Legislativa, os deputados derrubaram um veto do governador Rodrigo Rollemberg ao Projeto de Lei 822/2015, da deputada Celina Leão (PPS), que institui o Plano de Desenvolvimento de Turismo Sustentável Rota do Cavalo. “Este plano vai diagnosticar e apresentar resultados acerca da infraestrutura de turismo na região, além de proporcionar o desenvolvimento de manifestações folclóricas, vaquejadas, leilões, exposições agropecuárias e rodeios”, destacou a parlamentar, ao comemorar a decisão dos colegas deputados em rejeitar o veto, já que, segundo ela, a manutenção seria um empecilho ao progresso na região norte do DF.

Nos Estados Unidos

Enquanto isso, os deputados Wasny de Roure (PT) e Rodrigo Delmasso (Podemos) representam o legislativo local em Boston, nos Estados Unidos. Os dois ficam por lá até o fim da semana, quando acaba o Encontro da National Conference of State Legislatures (NCSL). Conforme já publicamos, foi a Câmara Legislativa que pagou as passagens, a inscrição no evento e as sete diárias para os dois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.