Pular para o conteúdo principal

"ESTOU VELHO, MAS NÃO VELHACO!" DIZ FREJAT SOBRE UMA POSSÍVEL CANDIDATURA EM 2018


FOTO: PORTAL ABBP - HAMILTON SILVA

Em entrevista coletiva a jornalistas e blogueiros da ABBP, nesta quarta-feira (22), o médico Jofran Frejat (PR), que disputou o segundo turno da eleição de 2014, como candidato a governador do Distrito Federal, respondeu a uma pergunta que muitos fazem: se diante dos seus 80 anos de idade, será candidato em 2018. “Estou velho, mas não velhaco. Se me escolherem como candidato eu estarei na luta”, disse

Frejat deixou claro que não irá brigar ou fazer cabo de guerra para ser o candidato em 2018  “a isso ou aquilo”, dentro do grupo em que está inserido o qual conta com outros bons nomes que lutam para se cacifar como tal.
Ele disse que na semana passada, o grupo fez uma reunião e que só soube por meio dos jornais. “Não me convidaram, nem mesmo o presidente do meu partido, o PR. Foi estranho isso. Mesmo assim, não estou zangado”.
Dentro desse grupo, continuo cumprindo o acordo feito de que, quem tiver melhor nas pesquisas, no próximo ano, teria o apoio de todos. Ocorre, que vários desses nomes já estão dizendo que são pré-candidatos a governador, independente deste entendimento. Eu continuo honrado o que foi firmado, apesar do meu nome aparecer entre os primeiros mais bem pontuados nas pesquisas”, afirmou.
Também esclareceu sobre um encontro entre ele, o senador Cristovam Buarque (PPS) e o presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT). “Nada disso aconteceu”, desmentiu.
Frejat disse que não pode se negar a ouvir todos os que o procuram. “Ultimamente, em Brasília, estão usando o termo direita e esquerda como elemento para adquirir votos. Não faço divisão sobre o que é esquerda ou direita. Isso não é uma preocupação. Aliás, há uma coisa muito curiosa comigo: sou destro da mão e canhoto do pé. Não sei por que isso aconteceu. Nasci assim”.
Segundo Jofran Frejat, política não se faz ciscando pra fora por correr o risco de não dar certo. “Política se faz é trabalhando pra dentro e que ninguém se iluda de que o atual governador, com a força e a caneta nas mãos não possa ter a grande possibilidade de crescer eleitoralmente”.
Para Frejat, o fato do nome dele aparecer bem pontuado nas pesquisas se dar em razão de ter sido candidato a governador do DF em 2014, e que é natural que o seu nome esteja no consciente do eleitorado brasiliense.
Para o meu nome aparecer nas pesquisas, acredito que seja por conta da eleição passada e pelo meu trabalho ao longo dos anos na área da saúde, o que reflete com mais intensidade por causa da situação caótica que passa a saúde do DF. Somam-se a isto a lisura de procedimento que carrego comigo. Julgo que esses são os principais elementos que me fazem está bem no consciente popular”, apontou.
Por fim, Jofran Frejat disse que não pleiteou ser candidato a governador e nem a senador. No entanto, confirmou aos jornalistas e blogueiros da ABBP que tem sido insistentemente procurado por inúmeros setores da sociedade para encarar as urnas em 2018. “O meu interesse é trabalhar e recuperar Brasília. Qual a posição? Não sei dizer agora”.
Por Tony Duarte do Radar DF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as