Pular para o conteúdo principal

DISTRITAIS GASTAM QUASE MEIO MILHÃO EM GASOLINA E ALUGUEL DE CARROS

FOTO: INTERNET- HAMILTON SILVA

Os deputados distritais usaram R$ 1,5 milhão da verba indenizatória no primeiro semestre de 2017. Desse total, o gastos mais alto serviu para custear combustível, lubrificante e aluguel de veículos: R$ 491.527,72, (32,7% do total). O pagamento de consultoria/assessoria e serviços de divulgação da atividade parlamentar completam a lista das três maiores despesas. O levantamento é da ONG Adote um Distrital.
Na comparação entre o primeiro semestre de 2017 e o mesmo período de 2016, a entidade verificou redução nos gastos, que caíram de R$ 1,7 milhão para R$ 1,5 milhão. “É um fato positivo, mas o valor continua absurdo. Esse dinheiro poderia ser investido em áreas como a saúde”, disse o coordenador da Adote um Distrital, Olavo Santana.
Os parlamentares têm à disposição R$ 25.322,25 mensais para custear os trabalhos dos gabinetes. A verba é chamada de indenizatória porque é liberada apenas após os gastos, ressarcidos mediante comprovação.
Os deputados que mais gastaram foram Chico Vigilante (PT), com R$ 147.405,87; Rodrigo Delmasso (Podemos), com R$ 132.178,37; e Juarezão, com R$ 127.633,16.
O petista disse que a verba indenizatória tem previsão legal e é aprovada no orçamento da Casa. Segundo ele, boa parte dos gastos são para despesas fixas, como aluguel e comunicação. “Faço uma fiscalização implacável do GDF e também uso a verba para divulgar esses dados”, resumiu Vigilante. 
Delmasso também ressaltou a importância da verba indenizatória para a manutenção de atividades parlamentares. “Uso esses recursos para financiar o projeto Gabinete Itinerante. Não sou empresário e não tenho outra fonte para prestar contas e me aproximar da população. Todos os gastos estão em prestação de contas, publicados no meu site e no da Câmara”, afirmou. Juarezão não foi localizado para comentar o assunto. 
FONTE: Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000