Pular para o conteúdo principal

SEIS MOTIVOS PARA NÃO TER FAVORITOS AO BURITI

Foto: Blog do Donny Silva - Hamilton Silva
Os cinco maiores partidos influentes do DF renovaram aliança visando o Buriti ano que vem, estavam presentes os seguintes presidentes: Izalci Lucas (PSDB), Alírio Neto(PTB), Alberto Fraga(DEM), Tadeu Filipelli(PMDB) e Roney Nemer (PP).


01 - Reguffe
Mesmo afirmando veementemente que não será candidato e que irá honrar seu mandato, o senador Antônio Reguffe (Sem Partido) aparece em todas as pesquisas espontâneas. Caso o eleitor continue manifestando  o desejo de tê-lo na chefia do Buriti, todo esse quadro dificulta o projeto do ex-secretário Frejat.
02 - Fraga
Com todas as condições técnicas de liderar o segmento de "direita" e vir a se consolidar como sucessor de Rollemberg o coronel da reserva Alberto Fraga (DEM-DF), vem se enrrolando e tropeçando em suas próprias pernas, mas se destaca quando falamos em oposição à modesta gestão socialista na capital. 
03 - Izalci
É  efetivamente a única de todas as pré-candidaturas que tem se pautado na discussão de um projeto de desenvolvimento com uma agenda de construção de plano de governo. O fôlego pela corrida parece não ter fim, todavia várias são as nuances que o impedem de chegar, por exemplo,  auma possível intervenção do PSDB Nacional na aliança local.  
04 - Alírio
Conquistando espaços, principalmente junto a  setores da sociedade que não querem nenhum dos citados acima, Alírio capitaliza a rejeição dos poucos nomes que ainda ousam no pleito desgastante que se aproxima. O Presidente do PTB local deverá ser uma espécie de coringa caso não encabece a chapa principal, a de governador, já que não podemos esquecer que ainda teremos mais duas vagas para o Senado e uma para Vice-Governador.
05 - PMDB
Sem um nome, mas com poder de decisão e influência o ex-ViceGovernador, Tadeu Filipelli, não se omite e terá papel preponderante na escolha ou adesão do próximo governo.
06 - Esquerda
Com processo muito diferente na escolha dos seus candidatos, PT, PSOL e companhia parecem não se entenderem. Com problemas na constituição de novos  quadros,  estes partidos ,talvez figurem como   coadjuvantes nas eleições de 2018. Muito complexo reverter o secundarismo que os ronda  e devem permanecer focados na "única" vaga que terão chances de ganhar: a do Senado Federal.  
Por fim, concluo que todas  essas razões levem o eleitor do Distrito Federal a fazer um exercício de acompanhamento e estudo dos nomes disponibilizados pelo atual sistema político eleitoral. Os políticos sempre se reinventam. O pior cenário é aquele em que o financiamento das campanhas irão sair dos cofres públicos. Se alguém esperava renovação política em 2018, pode esquecer... A reforma construída nesse momento no Congresso Nacional tende a aprovar o tal "Distritão", modelo que irá favorecer aquele candidato que tem de 7 mil votos para cima, reduzindo drasticamente o número de candidatos por legendas, isso na eleição proporcional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000