Pular para o conteúdo principal

A DIFÍCIL MISSÃO DO ELEITOR DO DF - OPINIÃO

FOTO:HAMILTON SILVA
Hamilton Silva é jornalista, blogueiro e diretor da Associação Brasiliense dos Blogueiros de Política


Não é novidade para ninguém que a corrupção se enraizou de tal maneira em nossos meios de produção e no sistema político. O grande dilema que o cidadão comum enfrenta nos próximos meses será o exercício de sua cidadania plena, ou seja, como facultar sua participação no jogo político sem cometer erros, ou na pior da hipóteses, corroborar com a promíscua e faminta “eleições gerais de 2018”?
A história recente
O governador do Distrito Federal à época ( último mandato-antes de Rollemberg)era Agnelo Queiroz (PT), que tentou a reeleição, tendo de enfrentar Luiz Pitiman (PSDB), Rodrigo Rollemberg (PSB), Toninho do PSOL (PSOL) e Perci Marrara (PCO), além do ex-governador cassado José Roberto Arruda (PR), que decidiu renunciar à candidatura e deixou em seu lugar Jofran Frejat (PR). Na eleição para senador, Reguffe (PDT) foi eleito para a sucessão de Gim Argello com 57,61%. Observe que, neste caso, o voto foi decisivo e contribuiu para que o senador Gim não se protegesse com um mandato, ao mesmo tempo que elegemos um senador honesto.
Com 55,56% dos votos válidos, o senador Rodrigo Rollemberg, do Partido Socialista Brasileiro, foi eleito governador do Distrito Federal, derrotando Jofran Frejat, do Partido da República (PR), obtendo 44,44% dos votos. Neste caso específico,  desnecessário se falar das grandes frustrações   com  o desempenho do governador petista e que da escolha em continuarmos na "esquerda", fato que estava subtendido.
Explica-se esse resultado pelo fracasso da dita “direita pós Roriz” que, numa ganância sem limites, perdeu o mandato de forma traumática com a prisão de José Roberto Arruda,até hoje "enrolado" com a justiça, e dava fôlego ao conhecido "rouba mas faz".
Nomes em detrimento de projeto
A pergunta que mais se faz nos últimos dias é : "Quem virá nas próximas eleições?" 
No fundo, o nome é o que menos importa, mas vamos lá: 01- Reguffe não é candidato; 02- Alírio Neto parece estar despontando; 03- Fraga ainda vai se enrolar mais (tem mais vídeos por aí); 04- Izalci enquanto continuar tucanando - em cima do muro- não decola (estão dizendo por aí que vai ser expulso do PSDB. Eu não acredito nisso, mas... 05- Jofran tem o tal recall a favor e uma rejeição pequena, precisamos verificar como vai reagir quando começarem os ataques da "esquerda raivosa". Rodrigo Rollemberg, se sair candidato, tem a favor a caneta que controla o Diário Oficial do DF. 
O que temos em comum em todos os candidatos é a fragilidade do discurso sem substância, ou seja, sem projetos que definam um favorito.
Mas todos estão trabalhando; alguns nos bastidores e outros mais escancaradamente.

O caminho a percorrer: A difícil missão do eleitor do DF
 Não parece fácil escolher um nome para votar ano que vem. Os nomes postos,  até o momento, parecem tão frágeis quanto a nossa vontade de levantar da cama para votar, para sair de casa e ir na Zona.... Eleitoral......
Os desafios são inúmeros e grandiosos para aqueles que desejam contribuir para a melhoria da Capital. Só isso já seria o suficiente para que o dia da eleição fosse um dia muito especial, mas está se tornando num dia emblemático. Traduzir o que o eleitor deseja para a melhoria da cidade é fácil. Traduzir no porquê ou em quem o eleitor vota é outra coisa completamente diferente.
Nossas vidas são feitas de escolhas e aí vai minha dica para começar a escolher os nomes para ano que vem, já que não podemos discutir projetos:

PRIMEIRO: Não escolha nenhum desses  nomes que esteja envolvido com  escândalos  e operações policiais;

SEGUNDO: NÃO ESCOLHA Ninguém que não tenha compromisso com a verdade ou minta. ( não podemos mais engolir políticos de araque, coronéis ou mágicos que fazem dinheiro sumir em cuecas, meias, mochilas e malas de rodinhas);

TERCEIRO: NÃO ESCOLHA quem não contribuiu em nada para melhoria de nossa cidade ou denegriu a imagem da cidade;

QUARTO: Procure saber de onde estão vindo os recursos do candidato, possivelmente essa candidatura está comprometida em dar "um retorno" para o investidor;  E, FINALMENTE, pense que você está passando uma procuração para o seu representante que terá a liberdade de fazer por sua cidade o que você não pode fazer num sistema representativo que não permite a participação direta de todos os cidadãos. O seu eleito deve ter uma responsabilidade enorme, um comprometimento ético com o patrimônio público e principalmente conhecimento profundo dos problemas que atingem o Brasiliense e disposição para resolvê-los.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.