Pular para o conteúdo principal

06 COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Foto: internet


Centenas de textos elaborados nos últimos anos intervindo no destino e formação de opinião da Reforma da Previdenciária foram exaustivamente elaborados e discutidos, contudo o foco nesse texto ressalta oponto de vista do servidor, atente para o que se segue:

Acho fundamental esclarecer algumas questões colocadas pelo Presidente Temer em sua última entrevista sobre a reforma :

Ele afirma: A ideia é acabar com os privilégios: 1. quebra dos privilégios: e2. igualar a previdência privada com a pública.

Pontos a serem esclarecidos:

1. não há privilégio em passar em um concurso público. Privilégio ocorreu antes da Constituição de 1988 quando se ingressou por meio dos chamados trens da alegria no serviço público federal sem concurso público. Desde então, só é possível ingressar no Serviço Público por meio de um concurso de provas e títulos aberto a todo e qualquer cidadão que dele queira participar e através do qual por MÉRITO, ou seja, pela forma mais democrática e JUSTA existente, são aprovados os mais bem PREPARADOS para a função para a qual aquele concurso está sendo feito.

2. O servidor público, além de descontar 11% do seu salário, diferentemente do trabalhador privado, que desconta bem menos, NÃO POSSOU FGTS, exatamente para ter direito a proventos INTEGRAIS e uma aposentadoria diferenciada, tudo conforme o EDITAL do CONCURSO para o qual ele se submeteu e para o qual se preparou.
Continua o presidente no seu discurso: 3.as pessoas não suportam mais a história de diferenças, de privilégios. 4. A Constituição determina que todos são iguais perante a Lei, e mesmo homens e mulheres são iguais em direitos e deveres.

3. Mérito é merecimento. Privilégio é tratar com distinção os iguais. Servidores Públicos são parte das instituições para as quais SERVEM diferentemente do trabalhador privado. O agente público é um braço do Estado e o REPRESENTA, sendo, inclusive, responsabilizado como parte integrante do órgão. Não se pode querer igualar SERVIDORES PÚBLICOS com TRABALHADORES PRIVADOS não só pela existência de um CONCURSO de Provas e Títulos e por todas as particularidades que um AGENTE PÚBLICO assume, mas também pelo fato de um TRABALHADOR PRIVADO servir a EMPRESAS PRIVADAS. 
Deslancha o Presidente: na verdade, o momento constitucional é dizer que não pode haver distinção entre as pessoas.

4. As pessoas são diferentes, possuem méritos diferenciados, talentos, capacidades diferenciadas. O que a nossa carta magna quis dizer no seu escopo quando se referiu à igualdade se refere à igualdade de condições básicas de acesso à EDUCAÇÃO BÁSICA DE QUALIDADE. O que vai se fazer a partir de então caberá a cada um individualmente. Se vai se conformar em ser um balconista de loja, um mecânico, um chefe de cozinha , um ANALISTA LEGISLATIVO, um MAGISTRADO , UM JUIZ, UM DIPLOMATA, UM SENADOR OU UM DEPUTADO.

5. Acho importantíssimo que esses esclarecimentos sejam DEBATIDOS EXAUSTIVAMENTE.

6. E o mais importante: que as novas regras passem a valer para os novos concursados que já entrarão no serviço público sabendo das regras as quais terá que se submeter, e não para os que fizeram o seu concurso público motivados por regras que previam garantias as quais não podem ser surrupiadas.

Por fim e não menos importante: desde 2003 os servidores públicos que ingressaram a partir daquele ano não se aposentam mais com proventos integrais e passaram a contribuir para a PREVIDÊNCIA PRIVADA.

Essas reflexões são objetivadas no debate da Reforma que muda não só o destino das contas públicas, ou seja, aumenta o controle, mas também no que diz respeito à qualidade de vida das gerações trabalhadora da nação.

Por: Walesca Borges - Professora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as