Pular para o conteúdo principal

REFORMA TRABALHISTA AUMENTA DESEMPREGO NO CURTO PRAZO

foto: internet

O projeto de reforma trabalhista visa à elevação das margens de lucros dos empresários e precarização das relações, estabelecendo um novo padrão societário no qual a ‘força de trabalho’ intensifica sua subordinação ao capital.
Em momentos de crise como o que estamos vivendo atualmente, costuma-se abrir um amplo debate social sobre a necessidade de reformas a fim de sanar problemas estruturais e solucionar os problemas de curto prazo.  As principais reformas debatidas no Congresso Nacional –Previdenciária e Trabalhista – prometem o mesmo: reequilibrar a economia, gerar crescimento econômico e dotar os trabalhadores de garantias no futuro.
No caso da reforma trabalhista, veicula-se sua necessidade histórica justamente em um momento no qual o crescimento do número de trabalhadores desempregados figura como um dos principais problemas sociais.
Dentre seus objetivos estão a garantia de maior liberdade de acordos entre as partes (“livre encontro entre demandantes e ofertantes de força de trabalho”), a segurança jurídica necessária ao investimento privado, o aumento da competitividade, a modernização das relações de trabalho, e, acima de tudo, a geração de empregos.
A defesa teórica da reforma trabalhista apoia-se na concepção econômica neoclássica[1] para qual “imperfeições” no mercado de trabalho são decorrentes de interferências externas que impedem a autorregulação deste mercado. Salários reais demasiadamente rígidos, sindicatos que defendam os direitos dos trabalhadores, licença maternidade/paternidade e benefícios que reduzem a penúria do desempregado como o seguro desemprego são exemplos de fatores que impediriam o funcionamento “eficiente” do mercado de trabalho.
Tal corrente teórica supõe que trabalhadores e empresários negociam em condições de igualdade, assim como as trocas realizadas em qualquer outro mercado na economia. Para estes, o trabalhador é um agente racional que avalia o custo de ficar desempregado, optando pelo desemprego sempre que o nível do salário real não cobrir as benesses da inatividade.
Em síntese, o entendimento dos defensores da referida corrente é que o mercado de trabalho tem autonomia na determinação do emprego, de forma que os problemas do desemprego, dos baixos salários e da produtividade são causados por seu próprio funcionamento (isolado de características de nosso desenvolvimento ou de variáveis macroeconômicas).
Vale destacar que parte significativa desses problemas são creditados aos próprios trabalhadores, que, por sua racionalidade maximizadora, dada a assimetria de informação, impedem que o mercado opere em equilíbrio com pleno emprego.
Logo, a solução apontada por esses teóricos seria a mudança das regras que incidem sobre a legislação trabalhista, facilitando acordos individuais (negociado sob o legislado), flexibilizando a jornada de trabalho (12×36)[2], criando contratos atípicos (trabalho intermitente[3], contrato parcial, autônomo etc.), restringindo o poder de barganha dos sindicatos e da Justiça do Trabalho, entre outras medidas que envolvem a dinâmica própria do mercado de trabalho.
No entanto, os estudos empíricos que buscam avaliar a relação entre alterações na legislação trabalhista e a geração de empregos não corroboram as teses sustentadas pelos defensores da reforma trabalhista.
Estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT)[4] analisou reformas em 110 países no período entre 2008 e 2014 e tinha por objetivo avaliar os impactos no curto prazo de mudanças na legislação sobre a variação na taxa de desemprego. O estudo não encontrou significância estatística na relação entre as reformas trabalhistas e a redução na taxa de desemprego, seja entre as reformas que visavam a flexibilizar a legislação seja entre aquelas que incidiam sob o aumento a proteção do trabalhador.
Por outro lado, o estudo conclui que a desregulamentação trabalhista apresenta efeitos negativos no curto prazo em momentos de recessão econômica, isto é, leva ao crescimento da taxa de desemprego.


Juliane Furno

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização