Pular para o conteúdo principal

A TROCA DE DEPUTADOS DA CCJ E A QUANTIDADE DE INFORMAÇÃO: OPINIÃO


Ontem fui indagado por um leitor do blog por que  eu não escrevia sobre os fatos ocorridos na Câmara dos Deputados já que lá estavam ocorrendo as maiores "balburdias" da república. Eu respondi que tenho uma vida muito corrida com muitos afazeres e que prioritariamente não dá para acompanhar e ao mesmo tempo escrever sobre esse tema, já que os acontecimentos se atropelam numa velocidade que mesmo lendo quase todos os grupos de whatsapp, lendo vários blogs e vários jornais da grande mídia chego a conclusão que todos informam com uma riqueza de detalhes e com uma gama tão variada de opiniões que o vazio se torna uma necessidade urgente. 

Explico: Vazio de lixo, vazio de poluição visual. Precisamos ter um filtro cada vez mais apurado e refinado com vistas a não contaminação pelo ódio e pela necessidade da desconstrução instalado nas "redes".

Me baseando na necessidade de passar ao meus leitores uma impressão, mesmo que rasa, sobre o tema indico uma cética e despretenciosa leitura do que se segue:
- Esse tal Sérgio (relator da denúncia na CCJ) nunca teve minha admiração, aliás qual o sobre nome dele? Cabral? Nem sei direito, ele, Zveiter foi presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva da CBF. Então não me venha com... churumelas.
- Falar de troca-troca na atual conjuntura parece tão sem importância quanto uma briguinha de parlamentares, atolados até o pescoço, no plenário do Congresso Nacional.
- A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) se transformou no palanque para as eleições de 2018 e quando chegar no plenário vai se transformar no maior circo já instalado em 17;
- Liberar emendas do Orçamento sempre foi a principal moeda de troca dos parlamentares junto aos seus executivos locais e estaduais, não há novidade nisso. Muito menos nos 'santos do pau oco' defendendo a execração do "Filho do Fogo";
-Por fim, dar aumentos aos servidores públicos federais parece uma última, junto com distribuição de cargos e empresas estatais aos aliados, tentativa desesperada de manter-se no governo.

Não podemos esquecer a convulsão política vivida nos últimos tempos não sinaliza para um fim rápido e nem previsível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as