Pular para o conteúdo principal

A POLÍTICA DA BAJULAÇÃO NA VISÃO DE MAQUIÁVEL

Não há dúvidas de que um governante precisa de conselheiros, Maquiavel afirma que “o governante deve escolher para seu governo apenas homens sábios e unicamente a eles dar plenos poderes para lhe dizer a verdade
foto: Aderivaldo - Hamilton Silva
Imagem Google
Maquiavel, no livro “O príncipe”, dedicou um capítulo inteiro (XXIII) para ensinar como um governante pode “evitar os aduladores”. Neste livro, o autor afirma que “os homens apreciam tanto a si mesmos e aos seus atos, que acabam se iludindo a tal ponto que os bajuladores passam a fazer parte de sua vida.” Em comentários de rodapés o grande imperador Napoleão Bonaparte afirmava que “são úteis, uma vez que todo príncipe precisa de estímulos, mas não deve deixar-se envolver por eles.”
Não há dúvidas de que um governante precisa de conselheiros, Maquiavel afirma que “o governante deve escolher para seu governo apenas homens sábios e unicamente a eles dar plenos poderes para lhe dizer a verdade. Eles devem ser autorizados a falar exclusivamente sobre o que lhes for perguntado, e nada mais.” A rigor, “o príncipe deve lhes perguntar sobre tudo, ouvir suas opiniões, refletir sobre elas e depois tomar suas próprias decisões.”
No site Metrópoles de hoje (24) a matéria com o título: “Animadores de torcida de Rollemberg custam R$ 766 mil por ano no DF” – Coordenação de Mobilização, composta por 15 pessoas, rebate críticas ao governador nas redes sociais e organiza apoio em eventos públicos – chama a atenção para algo comum em vários governos. As “claques” como são conhecidas são antigas, mas elas possuem alguma credibilidade? Até que ponto o governo elogiando o próprio governo reverte em votos?
Muitos dos conselheiros do “rei” possuem seus próprios interesses, muitos serão candidatos nas próximas eleições e entendem que poder “é transferência”, mas esquecem que “alta rejeição” também se transfere. Jacob Petry, no livro “Poder & Manipulação” afirma que “cada conselheiro terá em mente seus próprios interesses e o príncipe precisará saber interpretá-los pelo que cada um representa, bem como tirar o melhor juízo a respeito.”
Ainda segundo Jacob Petry “se não seguir essa regra, o príncipe será enganado pela opinião dos seus aduladores ou mudará demais seu parecer, passando uma imagem de inseguro e confuso, o que resultará em falta de respeito e confiança.” Esse filme nós já vimos várias vezes no Distrito Federal.
“AS PESSOAS SE COMPRAZEM TANTO NAS COISAS QUE DIZEM RESPEITO A ELAS PRÓPRIAS, E SE DEIXAM ENGANAR TÃO FACILMENTE SOBRE SI, QUE É DIFÍCIL QUERER SE LIBERTAR DA BAJULAÇÃO”. (JACOB PETRY – PODER & MANIPULAÇÃO).
Fonte:Blog do Aderivaldo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria