Pular para o conteúdo principal

CAIADO DESEJA FORÇA NACIONAL NO ESTADO DE GOIÁS URGENTE CASO ELEITO

Foto
Senador Ronaldo Caiado

O debate promovido pela Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP) girou em torno de temas como transporte público, segurança, educação, saúde, potencial tecnológico da região e repasses do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).
Caiado também chamou a atenção para o uso político que tem sido feito do Entorno durante as eleições de Goiás com promessas populistas e soluções apenas paliativas para os graves problemas locais. “É muito importante notar como a máquina do governo tem usado o Entorno como fiel da balança nas eleições. Aproveitam-se da alta densidade populacional e do baixo desenvolvimento urbano para fazer populismo com os problemas reais da região”, criticou Caiado.
PROJETOS
Ronaldo Caiado foi direto ao afirmar que não basta procurar soluções temporárias para problemas estruturais. Ele apresentou dois projetos de sua autoria que já tramitam no Congresso e que podem criar mudanças significativas na vida das pessoas.
Foto Sidny Lins Jr. - Hamilton Silva
O PLS 163/15, que destina 80% do FCO repassado ao Distrito Federal para as cidades do Entorno; e a PEC 65/15, que transfere ao governo federal a exploração dos serviços de transporte rodoviário entre os municípios do Entorno e Brasília.
“Brasília tem a maior renda per capita e o maior IDH do país enquanto as cidades ao redor contam com os piores índices. Não há emprego nem perspectiva no Entorno porque não há como competir com os subsídios federais e o volume de recursos que é destinado a Brasília. Em vez de resolver isso, a região segue sendo usada apenas como curral eleitoral do governador”, afirmou.
Caiado apresentou sugestões inéditas, como a convocação das Forças Armadas para ajudar na segurança pública do estado e a ajuda de instituições no combate às drogas. Veja abaixo um resumo da entrevista coletiva e as considerações e propostas do senador acerca de cada tema de interesse da população do Entorno:

FCO
“Qual a finalidade dos fundos de desenvolvimento regionais? Ajudar a combater desigualdades. A maior desigualdade do Centro-Oeste hoje está no Entorno, onde índices de violência superam a Baixada Fluminense e até 50% da população tem que se deslocar diariamente para Brasília. Isso gera um paradoxo cruel: convivem, lado a lado, o Distrito Federal, que exibe a maior renda per capita do país e dispõe de excelentes serviços públicos, e o seu cinturão, que ostenta um dos piores IDH do país. Nada mais justo do que exigir que 80% do FCO destinado a Brasília seja usado para desenvolver o Entorno”.
SEGURANÇA PÚBLICA
“Caso um dia venha a assumir o governo, no meu primeiro dia vou pedir a presença das Forças Armadas e da Guarda Nacional para auxiliar na segurança pública do Entorno e de outras regiões carentes de Goiás. Não dá para você achar que os 11,9 mil policiais que nosso estado conta são suficiente para conter a escalada de crimes que estamos vivendo”.
TRANSPORTE
“É preciso entender que a legislação atual não serve mais e que se não for mudada só vamos continuar enxugando gelo. O Entorno como está não tem como competir com os subsídios federais e o volume de recursos que é aportado no Distrito Federal. A nossa PEC muda isso. Como é que esta região de Goiás, onde 67% se desloca diariamente para Brasília e 45% trabalha na capital pode ficar de fora dessa conta? Não pode”
Ao Blog do Hamilton Silva o senador goiano afirmou que não vai priorizar a construção de um transporte de passageiros entre Brasília e Goiânia já que Goiás é o quinto maior estado em dívidas da federação.
EMANCIPAÇÃO DO ENTORNO
“Goiás já foi por demais benevolente com a cessão de territórios de seu estado e essa ideia, neste momento, é apenas uma estratégia de afastar um problema em vez de assumir a responsabilidade. O que não dá é para ficar com essa dificuldade onde cada estado, cada município e o DF criam legislações próprias e ninguém busca uma política única que funcione para a região.”
POTENCIAL TECNOLÓGICO
“Não dá para o Entorno insistir em uma tese de desenvolvimento que vá competir com o que já temos em Brasília. O que eu enxergo para a região é um potencial tecnológico na área da indústria de transformação e a produção de bens voltados para essa grande demanda que é Brasília”.



Foto:Sidney Lins Jr. - Blog Hamilton Silva
EDUCAÇÃO
“Há uma grave crise em nossa educação e isso passa também por uma crise moral. Por que é que os colégios militares são tão valorizados? Porque ensinam hierarquia, valores, respeito ao professor. São esses os conceitos que temos que resgatar na educação pública. Eu, em meu tempo, fui estudar em um colégio público em Belo Horizonte por ser o melhor para me preparara para o vestibular. Por que não podemos voltar a esse nível de excelência?”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.