Pular para o conteúdo principal

AOS DESAVISADOS E APARTIDÁRIOS



Inúmeros foram os ataques que  recebi durante todo o processo político que vivemos nos últimos meses, por partidários e por não aliados de siglas. Há uma precarização e banalização do conteúdo devasto corruptível que pauta nossa sociedade.
Emitir a opinião que considero importante independente das posições e dos infortúnios  que os gestores de hoje enfrentam nos levam a sofrer muitas críticas e comentários maldosos.
 Li o texto abaixo ontem à noite e identifiquei uma gama de elementos que quero destacar para colegas e não colegas que geraram dentro do sua ignorância um ódio sem causa. Obrigado amigo leitor.


A pobreza intelectual do debate sobre a Operação Lava Jato é deprimente. Nos que iniciamos a investigação sabíamos que ela ia além do partido no poder. Sabíamos que chegaríamos aqueles que comandam o Brasil desde a redemocratização. E, observe-se, o PMDB esteve em todos os governos desde aquela época.


Assim, se o PT institucionalizou a corrupção na sua organização - por isso tantos tesoureiros do partido processados, o PMDB sempre foi uma confederação de caciques ou seja, de organizações criminosas autonomas, divididos basicamente em suas duas bases principais, o PMDB da Câmara dos Deputados e o PMDB do Senado.

Todos esses partidos, e outros igualmente, vêm usando historicamente de esquemas criminosos para se financiar. Em outras palavras, de corrupção pura e simples. Vejam o histórico de escândalos que vivemos desde o governo Sarney.

E mais, esses partidos são falsos inimigos uns dos outros, divertindo-se em dividir a sociedade ideologicamente, quando na verdade são exatamente farinha - apodrecida - do mesmo saco.

Apesar desse fato ser evidente nas revelações dos colaboradores e das provas produzidas, ainda vejo tolas manifestações maniqueístas a favor do PT contra Temer, a favor de Temer contra Lula, a favor de Aécio contra os dois, ou ainda a favor de aventureiros totalitarios contra a própria democracia.

É impossível ver qualquer argumento inteligente nessa confusão. Temer pode ter comandado a organização do PMDB da Câmara dos Deputados, assim como Lula comandou a organização do PT, e assim por diante. Não transformemos uns em santos só porque não gostamos dos outros.

Essas organizações viveram, conviveram, e trocaram favores entre si enquanto incentivavam a divisão da população em ideologias que sequer acreditavam.

Precisamos nos unir em torno de princípios, e não pessoas ou partidos. Unir-nos contra a corrupção, contra o abuso do poder econômico, a favor da democracia, da meritocracia, da igualdade de todos perante a lei, do respeito do bem comum, e da tolerância entre as pessoas

Carlos Fernando dos Santos Lima é Procurador Regional da República, lotado na Procuradoria Regional da República da 3º região em São Paulo. Atualmente atua na força-tarefa Operação Lava Jato, em Curitiba.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.