Pular para o conteúdo principal

ELEIÇÕES 2018:AUDIÊNCIA PÚBLICA PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES NA POLÍTICA

A Procuradoria-Geral Eleitoral e a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão realizam, nesta quinta-feira (11), a partir das 13 horas, audiência pública sobre a participação das mulheres na política, no auditório da Procuradoria-Geral da República, em Brasília. O evento tem apoio da ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. 


A mesa dos trabalhos será composta pelo vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, pela procuradora federal dos direitos do cidadão, Deborah Duprat, e pela representante do Escritório da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman. Depois, todos os interessados terão um tempo reservado para expor suas ideias e propor sugestões. Ao final, as informações coletadas na audiência servirão de subsídio para a melhoria do sistema eleitoral brasileiro. O evento será transmitido ao vivo pela TV MPF



A ideia para a realização da audiência pública surgiu da constatação de que muitas das candidaturas de mulheres nas eleições de 2016 foram fictícias. O Ministério Público verificou que algumas candidatas não receberam sequer um voto. A irregularidade pode ser uma tentativa de burlar a cota exigida pela legislação para promover o aumento da participação feminina na política. A Lei 9.504/97 obriga os partidos a destinarem pelo menos 30% das candidaturas nas eleições proporcionais à participação feminina.



O objetivo da audiência pública é debater a participação feminina na política com autoridades dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, membros do Ministério Público, advogados, comunidade acadêmica, filiados a partidos políticos, entidades comprometidas com a defesa dos direitos das mulheres e público em geral.



Dados - O Brasil ocupa atualmente a 154ª posição num ranking de 174 países em relação à participação das mulheres no Congresso, com 55 das 513 cadeiras ocupadas na Câmara (10,7%) e 12 dos 81 assentos do Senado (14,8%). O panorama sobre a participação política das mulheres no mundo foi realizado pela ONU Mulheres em parceria com a União Interparlamentar (UIP). Isso é difícil de entender quando dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informam que 52,13% dos eleitores aptos a votar nas eleições municipais do ano passado eram mulheres.



Segundo pesquisa de opinião realizada pelo DataSenado, em parceria com a Procuradoria Especial da Mulher, o principal motivo alegado pelas próprias mulheres para não se candidatarem é a falta de apoio dos partidos políticos (com 41% das respostas). A falta de interesse por política aparece em segundo lugar (23%), e a dificuldade de concorrer com homens em terceiro (19%). A falta de apoio da família e as tarefas domésticas são pouco citadas, ficando apenas com 6 e 5% das respostas, respectivamente.



SERVIÇO
Audiência Pública Participação das Mulheres na Política
Data: 11/05/2017
Horário: 13h
Local: Auditório JK, sede da PGR (SAF Sul Quadra 4 Conjunto C, Brasília/DF)

Transmissão ao vivo pela TV MPF. Clique aqui para acessar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria