Pular para o conteúdo principal

PREÇO DO M² EM BRASÍLIA ATINGE MENOR VALOR DOS ÚLTIMOS 12 MESES

Aguas Claras
Líder no ranking nacional, o metro quadrado para venda em Brasília atingiu, em fevereiro de 2017, o menor valor dos últimos 12 meses. O custo médio no período analisado foi de R$ 8.167, segundo dados da VivaReal, uma plataforma digital que conecta imobiliárias, incorporadoras, corretores e consumidores de todo o país.
Em comparação com janeiro de 2017, houve redução de 2,78% no valor (R$ 8.400). Sobre o mesmo período de 2016, a queda foi de 2% (R$ 8.333). O estudo é feito mensalmente e contempla uma amostra de 30 cidades em diferentes regiões do país, considerando mais de 2 milhões de imóveis usados disponíveis para compra ou aluguel.
No Brasil, o preço médio do metro quadrado para venda custou R$ 4.800 em fevereiro de 2017, ou 60% do valor aplicado no Distrito Federal. O ranking das cidades mais caras ainda é liderado por Brasília (R$ 8.167). A capital federal é seguida por Rio de Janeiro (R$ 7.404), São Paulo (R$ 6.707), Recife (R$ 6.136) e Vitória (R$ 5.765).
O economista Roberto Piscitelli acha que não é uma boa hora para comprar imóveis. “Não houve uma reação do mercado imobiliário à crise econômica. O valor do metro quadrado ainda está elevado e acredito que pode cair mais”, pondera.
O professor de economia da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Ellery, por sua vez, diz que a economia vem dando sinais de recuperação e a tendência é que os imóveis fiquem mais caros a partir dos próximos meses. Bom para quem vender e ruim para aqueles que querem adquirir a sua casa própria.
“A queda dos juros deve jogar o preço dos imóveis para cima. Por isso, se a pessoa for comprar à vista, agora é uma boa hora. Mas se for financiar parte do valor, é bom esperar. Os juros devem cair ainda mais nos próximos meses”, explica o especialista.
Segundo dados do Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi-DF), referentes a fevereiro deste ano, existem mais de 32 mil imóveis residenciais disponíveis para venda na capital do país. Os valores vão de R$ 160 mil a R$ 2,6 milhões, dependendo do tamanho da casa ou do apartamento.
A movimentação imobiliária continua sendo mais intensa nas áreas nobres de Brasília. Pelo menos é o que mostra o levantamento da VivaReal. As regiões mais procuradas pelos consumidores são as asas Sul e Norte, Sudoeste, Lago Sul e Noroeste, onde o metro quadrado é o mais caro de todo o DF: nada menos que R$ 9.632.
Preço/ m²





Aluguel
No que se refere a aluguel, o preço médio do metro quadrado em Brasília também caiu. Em fevereiro deste ano, atingiu média de R$ 32. Segundo o levantamento da VivaReal, houve leve redução de 0,44% em relação a janeiro de 2017, quando o custo era de R$ 32,14. Comparado ao mesmo período de 2016, os preços caíram 2,82%. Na época, o valor era de R$ 32,93.

No Brasil, a média do metro quadrado para aluguel é de R$ 23,08. São Paulo lidera a lista com valor de R$ 36, seguida por Rio de Janeiro (R$ 32,33/m²); Brasília (R$ 32/m²); Santos (R$ 29,17/m²); e Recife (R$ 25/m²).
Vai comprar um imóvel? Confira algumas dicas
  • Se a compra for de imóvel usado, verifique se a matrícula está no nome de quem está vendendo o apartamento;
  • Confira a certidão atualizada do IPTU, para evitar passivos de débitos;
  • Exija certidão negativa de débitos condominiais, para verificar se não existem pendências no condomínio;
  • Peça ainda informações às concessionárias de serviços básicos para avaliar se não existem débitos nas contas de água, esgoto, energia e gás;
  • Cheque também as condições do imóvel. Converse com vizinhos para saber como é viver naquele ambiente;
  • Se for financiar, procure poupar até 20% do valor do imóvel para dar de entrada;
  • Não comprometa mais que 30% de sua renda com a prestação da casa própria;
  • Lembre-se: quanto mais poupar, menos vai pagar juros.

Fonte: Metrópoles 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000