Pular para o conteúdo principal

BANCO DE BRASÍLIA DÁ LUCRO COM GESTÃO FINANCEIRA EFICIENTE


BLOG DO HAMILTON SILVA
Apesar de todos os problemas da economia, que resultaram em queda de 3,6% no Produto Interno Bruto (PIB), o Banco de Brasília (BRB) registrou lucro líquido de R$ 201 milhões em 2016, um crescimento de 258,9% em relação aos R$ 56 milhões do ano anterior.

O banco se beneficiou, sobretudo, do aumento das receitas com tarifas, da queda da inadimplência e da liberação, por meio de uma vitória na Justiça, de R$ 118,6 milhões que estavam provisionados para o pagamento de Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).

O resultado do BRB só não foi melhor devido a despesas não recorrentes, que totalizaram R$ 71,5 milhões. Boa parte desses gastos decorreu do programa de demissão voluntária incentivada executado pela instituição. A perspectiva é de que esse enxugamento de pessoal resulte em ganhos já em 2017.

Patrimônio maior

A carteira de crédito do BRB, a despeito da melhora da qualidade, apresentou encolhimento de 1% entre 2015 e 2016, somando R$ 8,857 bilhões. Os ativos totais do banco, por sua vez, recuaram 0,6% e somaram R$ 13,564 bilhões. Já o patrimônio líquido avançou 6,8%, para R$ 1,174 bilhão. O retorno sobre o patrimônio cravou 17,6%.
Com a esperada retomada da economia ao longo deste ano, as perspectivas para o BRB são promissoras. A expectativa é de que a demanda por crédito volte a crescer, sobretudo por parte das empresas, que devem ampliar a produção e os investimentos.
No entender dos especialistas, o sistema financeiro brasileiro tem mostrado uma solidez impressionante em meio à mais grave recessão da história. Isso tem muito a ver com as regras prudenciais baixadas pelo Banco Central.
Os analistas ressaltam que, mesmo com a queda dos juros — a perspectiva é de que a taxa básica (Selic) encerre o ano em um dígito –, os bancos tendem a ampliar os lucros com a procura maior por crédito. Os bancos também estão promovendo forte enxugamento de gastos e apostando tudo na tecnologia para baratear as operações.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização