Pular para o conteúdo principal

TEMER ENTRA NA HISTÓRIA PELA MESÓCLISE, ASSIM COMO ITAMAR ENTROU COM O FUSCA


Foto: Internet


TEMER ENTRA NA HISTÓRIA PELA MESÓCLISE, ASSIM COMO ITAMAR ENTROU COM O FUSCA

fraqueQuase sempre aceito tudo, nesta sociedade acomodada, mas de vez em quando me acende uma luz: a luz da reação consciente.
Assim, garotos e garotas, vejo como uma barbaridade o relançamento da mesóclise pelo presidente Michel Temer. E faço cobrança pública: ninguém chiou, ninguém vaiou, ninguém analisou! Nem eu!
Ao contrário: todos nós rimos, achamos engraçadinho, quando ele deu o mau exemplo de falar difícil. Crianças, não levem Temer a sério!
Faltou ao presidente a autoridade de um bom assessor de Comunicação, que berrasse assim: “Não! Pelo amor de Deus, NÃO! Presidente!”
Hoje, tardiamente, digo:
—-A mesóclise vai entrar na biografia de Temer da mesma forma ridícula que entrou o Fusca na vida do presidente Itamar Franco.
Itamar fez muito pelo Brasil, na década de 90. Inclusive deu o tiro fatal na inflação, com o Plano Real. Mas morreu abraçado ao Fusquinha – que ele mandou inutilmente fabricar de novo e não pegou, é claro.
Temer já começa a fazer muita coisa no seu curto governo, mas será lembrado pela tarefa boba de “dividir o verbo para enfiar um pronome”, da forma que ninguém mais faz – nem quer.
Aprendi que há três colocações dos chamados pronomes oblíquos átonos:
Próclise – Você vai se informar (usada pelas pessoas normais).
Ênclise – Você vai informar-se (usada pelos mais “finos”).
Mesóclise – Você informa-se-á (forma usada pelas pessoas ridículas)


EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA NO BRASIL

Na década de 60, um jovem professor de Português, nos Maristas de Salvador, me mostrou que a linguagem e a literatura do Brasil tinham evoluções fantásticas. Isso há 50 longos anos!
Ele nos apresentou o célebre Poema da Pedra, de Drummond (no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho). Eu, garoto despreparado e conservador, achei horrível!
O que gostei mesmo foi da aula sobre Jorge Amado. O interessante professor (pena não lembrar o nome dele) falou de ênclise, próclise e mesóclise. Esta última foi apontada por ele como em desuso, prestes a desaparecer, pois fora rejeitada pela população brasileira no século XX. Concordei plenamente!
Fiquei fã de Jorge Amado (isso é fácil para um baiano!), quando o professor disse que este escritor comunista, proibido no Colégio Maristas, estava impondo nos seus livros a linguagem das ruas, inclusive com os palavrões (já havia lido Capitães de Areia e me impressionei pela agressividade das palavras).
Fiquei sabendo que Jorge Amado assustou os amantes de Machado de Assis ao usar somente a próclise nos seus textos romanceados. Vejam esta frase do grande romance Jubiabá: “No negro Antônio Balduíno nada se incorporou”.
Se fosse Michel Temer, a frase ficaria assim: “No negro Antônio Balduíno nada incorpora-se-ia”. Que terror!
A mesóclise é tão superada quanto o relógio de bolso, o fraque, a carruagem e a cartola (que muitos de vocês nunca viram). Na verdade, a mesóclise deve ser combatida como a gente combate hoje o fumo – prejudicial e inútil.
É compreensível que a forma pedante de se colocar pronomes seja ainda usada pelos retrógrados integrantes do Supremo Tribunal Federal. Eles estão 200 anos atrás da sociedade. Quase múmias!
Me pergunto: quando aparecerá um ministro corajoso no STF, que possa repudiar o uso da horrível e empoeirada toga, capa de Drácula? Eles se vestem de mesóclise, com molho de latim.
E assim vamos.
Temer pode fazer no Brasil a reforma da Previdência, controlar a inflação, reformar as leis trabalhistas, fazer a economia crescer, etc.
No entanto, far-se-á conhecido pela má idéia de empregar a mesóclise, apenas para se fazer diferente de Dilma Rousseff. Que desperdício! 

POR RENATO RIELLA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as