Pular para o conteúdo principal

RAFAEL PRUDENTE VOTOU CONTRA AUMENTO DE IMPOSTOS

Rafael Prudente -Deputado Distrital

Os perfumados irão ajudar na eliminação da pobreza

A Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF) aprovou o parecer ao projeto de Lei Orçamentária Anual de 2017. Segundo o relator do projeto que estima a receita e fixa a despesa do DF (PL nº 1260/2016), deputado Agaciel Maia (PR), o GDF vai administrar um orçamento de cerca de R$29 bilhões, sendo que R$17,8 bi referem-se ao orçamento fiscal; R$9,1 bi à seguridade e R$1,8 bi a investimentos. Esses montantes, contudo, podem ser alterados em virtude de remanejamentos e emendas à peça orçamentária durante a votação em plenário, prevista para amanhã (15).
A CEOF aprovou também a revisão do Plano Plurianual para o quadriênio 2016-2019 (PL nº 1261/2016). Os dois projetos foram aprovados pelos deputados Wasny de Roure (PT), Agaciel Maia (PR), Rafael Prudente (PMDB), Prof. Israel (PV) e Júlio César (PRB).
Fundo de Combate à Pobreza – A CEOF aprovou também a cobrança do imposto de 2% sobre produtos de perfumaria e cosméticos no DF (PL nº 1376/2016). Os recursos oriundos desta arrecadação, cerca de R$ 5 milhões, de acordo com o relator da matéria, deputado Wasny de Roure (PT), serão destinados ao Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. O PL nº 1376/2016 altera a Lei nº 4.220/2008, que cria o Fundo.
Ao defender a proposta, Wasny disse que perfumes e cosméticos são consumidos por uma faixa da população que pode arcar com o aumento, uma vez que esses recursos vão "custear cestas de alimentos que fazem muita diferença" na vida da população de baixa renda.
Ao votar contra o projeto, o deputado Rafael Prudente (PMDB), autor de emenda que havia suspenso a alíquota de 2% em anos anteriores, argumentou que produtos como pasta de dente e shampoo fazem parte da higiene pessoal. Prudente, que não queria a volta do tributo, alegou que é contra o aumento de impostos para o consumidor.
CLDF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000