Pular para o conteúdo principal

JUROS SÓ BAIXA SE INFLAÇÃO BAIXAR

foto: divulgação da internet - Blog do Hamilton Silva
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse hoje (7) que o espaço para fazer um corte de juros maior é resultado da melhora nas expectativas para a inflação.

“Esse espaço para intensificação da flexibilidade se ganha por ter capacidade de ancorar as expectativas. É como se fosse um investimento que foi muito importante e não pode ser perdido. É um investimento que nos permite ter juros mais baixos sustentáveis e por mais tempo”, disse em café da manhã com jornalistas, na sede do BC, em Brasília.

Ontem (6), o BC informou, na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que pode haver mais espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic, do que o percebido anteriormente.

Na semana passada, o comitê deu continuidade ao processo de redução da Selic. A taxa foi reduzida em 0,25 ponto percentual, caindo para 13,75% ao ano. Esse foi o segundo corte de 0,25 ponto percentual.

Questionado sobre pressões para baixar os juros, Goldfajn disse que isso é recorrente no Brasil. Ele avaliou que o BC está fazendo o que é necessário, tem credibilidade e agora é “parte da solução”.

Recuperação gradual

Goldfajn disse que o BC achava que a partir de setembro haveria uma reversão mais forte da recessão econômica, mas isso não aconteceu. “[Isso] não significa que não vai ter recuperação. A gente vê uma recuperação gradual mais adiante. Temos projeção de crescimento para 2017 melhor que 2016 e 2018 melhor do que 2017.”

O presidente do BC acrescentou que o Banco Central é sensível ao nível de atividade mais fraca porque leva à redução das expectativas de inflação. Ele lembrou que, na reunião do Copom, discutiu-se a possibilidade de intensificar o corte de juros imediatamente porque a inflação vem caindo.

Entretanto, levou-se em consideração a resistência de alguns componentes do índice de preços. “Essa resistência, pode ser que daqui para frente venha a diminuir. Por duas razões: uma que a gente está vendo a inflação caindo e segundo porque a atividade está mais fraca do que a gente imaginava”, destacou.

Os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) também consideram avanços nas reformas propostas pelo governo. Entretanto, decidiu-se esperar até a reunião do Copom em janeiro. “No final, houve consenso de aguardar para fazer a decisão sobre a intensificação na próxima reunião”, afirmou.

Goldfajn também disse que o cenário externo é mais desafiador, com a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia (Brexit) e a eleição de Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos. “O cenário é mais desafiador, mas não tem uma ligação mecânica entre o cenário externo e a política monetária [decisões sobre a Selic] porque tem que observar todos esses efeitos”, explicou aos jornalistas.

Questionado sobre pressões para reduzir os compulsórios (recursos que os bancos são obrigados a deixar depositados no BC), Goldfajn disse que são “rumores”.

Crise política

O presidente do Banco Central acrescentou que é preciso manter a serenidade diante das incertezas geradas pela crise política desta semana e olhar se as reformas serão implementadas. “Todo o resto, o ruído que forma, eu acho que a gente tem que passar um pouco por cima”, disse.

A crise a que ele se referiu foi gerada pela liminar que determinou o afastamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do cargo. Hoje, à tarde, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) fará o julgamento definitivo da liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio.

A decisão que afastou Renan foi proferida no início da noite de ontem (5), mas o senador continua no cargo porque a Mesa da Casa se recusou a cumprir a decisão. Os senadores decidiram esperar decisão definitiva do plenário do Supremo.

Kleber Sampaio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as