Pular para o conteúdo principal

ECONOMIA BRASILEIRA:CONJUNTURA

A ECONOMIA BRASILEIRA AINDA NÃO MOSTROU FORÇAS PARA SUPERAR A RECESSÃO. 

Contrariamente ao esperado, a melhora das expectativas não se consubstanciou na retomada dos negócios. O PIB e a produção da indústria, que sinalizaram melhora no segundo trimestre, voltaram a recuar no terceiro. Como os indicadores do último trimestre apontam para a continuidade desse processo, a recessão continua intensa. Com isso, a queda do PIB em 2016 deverá alcançar 3,6% no ano, com o PIB da Indústria recuando 3,9%. A redução da Indústria de Transformação poderá atingir 4,8%, acumulando queda de quase 20% nos últimos três anos.
foto:G1- blog do hamilton silva

ECONOMIA SEGUE SEM FORÇAS PARA RETOMAR O CRESCIMENTO.

Esse comportamento se deve à incapacidade da demanda em mostrar reação. O consumo, o principal componente do PIB pelo lado da demanda, segue em queda por uma conjugação de fatores: o aprofundamento do desemprego, a queda da renda real e o comprometimento financeiro das famílias. O investimento, variável crítica para a retomada do crescimento, deverá recuar 11,2% em 2016, o terceiro ano consecutivo de retração. A queda acumulada nesses três anos atingirá 27,2%. 

O AJUSTE DAS CONTAS EXTERNAS CONTINUOU AO LONGO DO ANO

- explicado, principalmente, pelo saldo da balança comercial, que alcançou US$ 43,3 bilhões no acumulado no ano até novembro. A contribuição do setor externo no PIB será positiva: as importações apresentarão queda de 10%, em virtude da recessão econômica enfrentada pelo País, e as exportações mostrarão alta de 1,8%

A ECONOMIA BRASILEIRA

- que no passado recente cresceu alavancada pelo consumo e pelo setor pú- blico – quer diretamente, pela expansão do gasto público e desonerações tributárias, quer indiretamente, pela injeção de recursos via bancos públicos – AINDA NÃO CONSEGUIU SUBSTITUIR O MOTOR DO CRESCIMENTO EM DIREÇÃO AO INVESTIMENTO PRIVADO E ÀS EXPORTAÇÕES. De um lado, entraves regulatórios ainda não solucionados e a complexidade dos grandes projetos de infraestrutura, e de outro, a elevada ociosidade na indústria manufatureira dificultam a retomada dos projetos de investimento. 

AS EXPORTAÇÕES, IMPORTANTE VETOR PARA O CRESCIMENTO, SEGUEM AINDA SEM MOSTRAR TENDÊNCIA FIRME DE EXPANSÃO. 

A melhora no patamar do câmbio nos últimos anos foi parcialmente revertida em 2016 e a forte volatilidade permanece. Fica, assim, evidente que são necessá- rios maiores avanços na agenda da competitividade e na agenda das negociações internacionais para assegurar a rentabilidade das exportações e destravar as estratégias empresariais contaminadas pela ausência de prioridade às exportações no passado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização