Pular para o conteúdo principal

DEPUTADO FRAGA É CANDIDATO A GOVERNADOR

Foto:google no blog do Hamilton Silva


O deputado federal Alberto Fraga (DEM) foi um dos entrevistados do programa Conectado ao Poder de sábado (10), na rádio OK FM. Previdência, comando da polícia militar, eleição para administrador e eleição para o governo do Distrito Federal foram alguns dos assuntos debatidos.

Eduardo Cunha


Para Fraga é indiscutível que o deputado federal Eduardo Cunha foi um dos melhores presidentes que a Câmara dos Deputados teve. “Conhecedor do regimento, colocou a Câmara de forma independente e por sua culpa acabou da forma que o País tem conhecimento”.

Maioridade penal


O deputado afirma que constantemente tem pressionado o senador Renan Calheiros (PMDB) para que ele tome uma posição em relação ao projeto da maioridade penal. “A bancada da segurança pública esta mobilizada em relação ao tema, que é necessário para se combater a violência em nosso País. Infelizmente Renan sentou em cima do projeto e foi contra o que a sociedade deseja”.

CPI da Lei Rouanet


Fraga falou sobre a CPI da Lei Rouanet, presidida por ele. A Lei que foi criada para incentivar artistas em inicio de carreira infelizmente se perdeu. A CPI encontrou mais de 30 mil processos sem prestação de contas que pudessem identificar qualquer indicio de irregularidade. O montante passa de 10 bilhões e o que chama atenção é que 93% dos recursos destinados pela Lei Rouanet foram para o eixo Rio-São Paulo.

Porte de arma


Fraga defende que os agente de segurança socioeducativa tenham uma atenção especial pelos governantes e que tenham direito ao porte de arma na hora de folga. “É uma questão de segurança para os profissionais”.

OS


O deputado é contrário a instalação das Organizações Sociais na área de saúde. Para ele o problema da saúde pública é a falta de gestão. Fraga destaca que em outros estados a corrupção também está presente nas OS’s.

Regularização


O parlamentar disse que falta entendimento político para a regularização fundiária no Distrito Federal e afirma que em alguns governos, questões políticas acabaram impedindo o andamento dos processos.

Eleição de administrador


Fraga é contrário a eleição direta dos administradores e citou seu exemplo, “fui o deputado federal mais votado em 17 regiões administrativas, já pensou se eu apoiasse candidatos nessas regiões? Digo isto porque sou oposição ao atual governo e entendo que isto dificultaria sua administração”, e vai além, “defendo a independência financeira para as administrações, isso sim seria um avanço”.

Comando Geral da PM


Para Fraga o Coronel Nunes é um dos coronéis mais capacitados para exercer a função de comandante geral da PM. “Agora tem que deixá-lo trabalhar sem as questões políticas”.

Previdência


Fraga afirmou que a previdência dos militares foi separada do projeto de reforma da previdência, “defendi que os militares das forças de segurança estaduais mantivessem os mesmos direitos dos militares das forças armadas”.

10 medidas


Fraga esclarece que as 10 medidas contra a corrupção é um projeto feito exclusivamente pelo Ministério Público. Ele detalha algumas medidas retiradas do projeto como as restrições ao Habeas Corpus e a validade das provas ilícitas. Para ele, estas medidas só prejudicam os menos favorecidos.

Excesso de poder


Fraga afirma não ter votado contra as 10 medidas contra a corrupção. “Votei contra o excesso de poder que o Ministério Público queria ter”.

Lava Jato


Fraga afirma ser favorável à operação lava jato. “Aplaudo e quero que ela continue prestando estes serviços para a sociedade e que continue prendendo os corruptos”.

Alma lavada


O deputado desabafou “sangrei durante 8 anos sendo acusado de peculato e improbidade administrativa e a 10 dias o Supremo Tribunal Federal arquivou o processo por improcedência. Sequer foi julgado o mérito, o STF entendeu que as provas e as acusações não existiam”.

Governador


Questionado sobre as eleições de 2018, Fraga afirmou que a principio disputará o Governo do Distrito Federal.


Por: Sandro Gianelli

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as