Pular para o conteúdo principal

RESSACA OU CANSANÇO ELEITORAL -OPINIÃO

Foto: Hamilton Silva
Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Passadas 48 horas após o primeiro turno das eleições municipais o eleitor brasileiro dá definitivamente mostras de um cansaço e de uma insatisfação com a classe política.

A campanha eleitoral municipal de 2016 começou numa terça-feira, 16 de agosto nas 5.568 cidades brasileiras, de lá para cá todos brasileiros com a exceção do Distrito Federal exercitaram de forma definitiva suas vontades.

Para as eleições de 2016, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o número de eleitores no país, 144.088.912, cresceu 1% em relação ao pleito de 2014, quando 142.467.862 brasileiros elegeram presidente, governadores, senadores e deputados federais e estaduais. O aumento é de 4% sobre o colégio eleitoral de 138.544.348 pessoas que foi às urnas para escolher prefeitos e vereadores em 2012.

Essas eleições de 2016 não começaram de maneira efetiva na data supracitada, muito pelo contrário começaram em 2013 com as manifestações dos "Black Bloc" que se estendeu por 2014 e vingou nas inúmeras manifestações contra o governo federal e a favor da operação Lava Jato em 2015 e 2016. Por aí já se passaram três anos. tempo mais que suficiente para cansar qualquer amante da política.

Mas não há sombra de dúvidas da necessidade de uma certa exaustão de participação até que se chegue ao ideal de democracia e a excelência do voto. Importante para todos essa causa e mais importante ainda o envolvimento e engajamento na busca pela verdade e encorajamento de novas figuras ou personagens, como queiram que estejam dispostos a enfrentar um mandato como missão.

A grandeza do povo brasileiro foi ressaltada pela quantidade dos votos válidos e pela quantidade de eleitores que se abstiveram. O presidente Temer foi assertivo mas tímido ao afirmar que foi "uma mensagem". O voto dado no último domingo foi a manifestação da vontade, mais que uma mensagem, em não querer os governantes que aqui administram e administravam em particular ao Partido dos Trabalhadores. Mas é muito cansativo ver que as siglas que irão assumir as prefeituras não tem nada de novo nem irão trazer grandes transformações sociais seja pelas amarras instituídas politicamente seja pelas amarras econômicas impostas pela crise econômica .

Sinais, mensagens atitudes foram tomadas. Partidos foram retirados do poder, criminosos estão presos e outros serão. Quanto mais evoluímos mais sujeiras encobertas são reveladas. Mas a evolução não passa prioritariamente na troca dos personagens, passa prioritariamente pela participação propositiva dos agentes publicos envolvidos com a fiscalização e controle do Sistema Político e Partidário. O primeiro teste foi feito: Novas regras reduziram financiamento mudando toda dinâmica da campanha desde seu inicio oficial.

O fato é que estamos todos cansados não havendo espaço para ressaca já que o segundo turno está aí. E já começamos as eleições de 2018. Haja fôlego, saco e disposição para tantos acordos idas e vindas para falta de originalidade de propostas e falta caráter e moral em muitos dos políticos.

De qualquer maneira está feito. Meus filhos e netos terão uma democracia mais madura e mais calejada. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as