Pular para o conteúdo principal

NO PAÍS DA PROPINOCRACIA DILMA É A LARANJA DE LULA

Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
De forma didática, clara e objetiva o procurador da república Dalton Delagnol, explicou à toda nação brasileira o formato, a missão e as motivações do esquema de corrupção montado para o grupo político dos petistas se perpetuarem no comando de nosso país.

Felizmente Dilma não foi  perspicaz, do ponto de vista politico, para conduzir o governo de coalizão suficientemente para manter a "governabilidade corrompida". Talvez seria exatamente isso que Lula desejava quando indicou e trabalhou arduamente para que a ex presidenta o sucedesse. Alguém que fosse honesta o suficiente para que se preocupasse apenas em governar a máquina gigantesca de governo e o conglomerado de programas, esquemas e apadrinhados abastecendo o aposentado sindicalista.

Caso o ex presidente seja julgado e condenado o destino de Dilma indica para o mesmo rumo. Faltou a Lula um julgamento político através das Instituições Constituídas, fato que Dilma Roussef se esbaldou. A Justiça sinaliza igualar e aplainar os dois ex presidentes em suas ações no mínimo irresponsáveis dos eleitos pela maioria do eleitorado.

Infelizmente para eles a base de governo foi minada pela Lava Jato e  pelo apetite infinito de uma ambição desenfreada e por incompetentes de plantão gerindo o elo entre a máquina partidária e a máquina de governo..As correntes ideológicas de esquerda do Partido se satisfazia com o status em alguns postos de primeiros escalão e fomentava os conceitos programáticos de desconstrução das famílias tradicionais brasileira.

Mas esses três parágrafos acima não descrevem nenhuma novidade não é mesmo? A cara de pau e a didática usada pelo Procurador da república que transcende nossa imaginação.

A vida permanece dura e difícil para a maioria dos brasileiros. Não há porque celebrar nossa administração pública a não ser pelos esforçados e dedicados concursados servidores da população brasileira, mas isto é tema para outro post.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000