Pular para o conteúdo principal

GDF QUER CONVENCER POLÍCIA CIVIL DE QUE 33% SÃO, NA VERDADE, 37%

O Governo do Distrito Federal tenta desarmar uma bomba como data e hora para explodir: às 14h desta quinta-feira (1°/9). Nessa hora, os policiais civis farão uma assembleia para discutir a proposta de reajuste escalonado de 33% apresentado pelo Buriti nesta quarta (30). Como o sindicato da categoria já anunciou que a oferta deve ser rejeitada, o GDF lançou a contraofensiva. Na noite desta quarta (30), secretário-chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, convocou entrevista coletiva para anunciar a arma palaciana: a matemática. O governo Rollemberg quer provar 33 é igual a 37.

 Os servidores da Polícia Civil cobram isonomia salarial em relação à Polícia Federal, que recebeu aumento de 37% da gestão Michel Temer, em três parcelas, entre 2017 e 2019.  O GDF ofereceu 33% nas seguintes condições: 8% em 2018; 7% em 2019; 8% em 2020; e 10%, em 2021. Somados, os percentuais chegam a 33%, mas o secretário explicou que, com os índices que incidem durante os anos, o cálculo correto é 37%.

A conta é difícil de entender, mas não se pode considerar os percentuais brutos porque eles não serão aplicados em cima dos salário atual, mas sim em cima das remunerações reajustadas ano a ano. Fica assim: se um policial civil ganha hoje, por exemplo, R$ 7.500. Em 2018, receberá R$ 8.100. Com o segundo reajuste, ganharia R$ 8.667; com o terceiro, R$ 9.360,36 e, em 2021, receberia R$ 10.296,40, o que dá um reajuste total de 37,29% sem contar a inflação do período. Resta saber se a categoria comprará o argumento do Buriti nesta quinta-feira (1°/9).

 Rombo
Sérgio Sampaio afirmou que a situação do governo é preocupante e que a proposta foi estudada e feita após diversos estudos e muito esforço. Segundo ele, somente com pessoal, incluindo os gastos do Fundo Constitucional, gasta-se R$ 26,5 bilhões por ano. “A Lei de Responsabilidade Fiscal precisa ser levada a sério. A chefe do Estado acaba de perder o cargo por não respeitá-la”, afirmou ao fazer referência ao impeachment de Dilma Rousseff.


Para ele, é temerário falar em reajuste. “Não estamos inventando uma crise. Vamos ter que contar com a recuperação de mercado, esperar que a economia reaja. Não teríamos como conceder o aumento num espaço de tempo menor. Estamos fazendo isso com imenso esforço. É uma prova de boa vontade e reconhecimento do serviço prestado pela Polícia Civil do DF”, completou Sampaio.

O secretário-chefe da Casa Civil afirmou ainda que existe um rombo enorme nas contas do GDF. “Para fechar este exercício, temos um deficit de R$ 1 bilhão, isso contando com o reajuste de 32 categorias, que começa a ser pago em outubro”, afirmou Sampaio.
O reajuste concedido às 32 categorias deveria ter sido pago em setembro de 2015, mas depois de longas greves, o governo conseguiu negociar o pagamento inicial para outubro de 2016. “Somente com esses aumentos, será uma despesa extra de R$ 1,5 bilhão ao orçamento. No término das quatro parcelas a serem pagas à Polícia Civil, serão mais R$ 545 milhões”, contabilizou o secretário.

“Recuo”
Em nota publicada pelo Sindicato dos Policiais (Sinpol), o presidente da entidade, Rodrigo Franco “Gaúcho” afirmou que a proposta já foi recusada pela entidade na reunião interna. “A falta de avanços deve agravar ainda mais a Operação PCDF Legal e outras ações.” Além disso, ele afirmou que “esses 33% em seis anos quebram a paridade da PCDF com a Polícia Federal, tanto em índices como em datas, e está mais distante dos anseios dos policiais civis do que as propostas anteriores, que previam um aumento já no segundo semestre de 2017”.

Fonte: Metrópoles

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as