Pular para o conteúdo principal

'É PRECISO RESOLVER A HERANÇA MALDITA DA INFRAESTRUTURA

foto:Internet
Raul Velloso
Para gerar crescimento, o governo precisa não apenas lançar um novo programa de concessões, mas desencalhar as concessões já feitas e que estão paralisadas ou andando devagar por falta de crédito e fôlego financeiro das empresas concessionárias. Essa é a opinião de Raul Velloso, especialista em finanças públicas.
A avaliação inspirou até um livro: “A recessão do governo Dilma e o abalo das concessões de 2013”, lançado nesta quarta-feira, 14, no Rio. “Levantamentos mostram que novas concessões só terão efeito, na melhor das hipóteses, em 2018. Você acha que a economia pode esperar até lá?”, questiona Velloso. A seguir, trechos das entrevista que concedeu ao jornal “O Estado de S. Paulo”.
Qual a sua avaliação sobre o anúncio das concessões?
O governo precisa trabalhar com uma agenda para mostrar serviço. É compreensível que seja assim. E ele está priorizando novas concessões. No discurso, fica bonito. Mas, na prática, nem tanto. Primeiro, é preciso resolver toda a herança maldita na infraestrutura. Como é que teremos pretendente para coisas novas na atual escassez de empreendedores e de financiamento se não resolver o passado? Além do mais, eu vi um levantamento feito por gente do setor mostrando que os projetos novos anunciados começam a se materializar apenas no final de 2018, na melhor das hipóteses. Você acha que a economia pode esperar esse tempo todo? A gente precisa de retorno mais rápido e isso só viria com a retomada do que já está aí.
É o tema de seu novo livro…
Tenho estudado concessões há muito tempo, sempre pegando o que eu vejo com o problema da vez. Agora identifico que o problema da vez é a questão das concessões de 2013 e também os projetos que estão na possibilidade de serem renovados, como a Via Dutra.
Quantos projetos estão nessa condição?
Sete trechos da terceira etapa do programa de rodovias federais. São 5 mil quilômetros. Mas o governo está hesitando em mexer neles.
Por quê? 
Teria de rever os contratos, alterando alguns parâmetros. As tarifas, por exemplo. O pacote das concessões de 2013 foi aprovado num contexto particular. Sob intensa pressão do governo para que tivesse tarifas muito baixas. Era sempre esse o objetivo do governo de Dilma Rousseff. Ocorre que o que se previu na época não aconteceu, e as empresas têm problemas agora.
Mas qual a resistência em alterar os contratos? 
O governo atual tem uma visão pragmática. Está percebendo que é preciso rever os parâmetros, não apenas para que a concessionária possa manter o contrato, mas para que, eventualmente, a concessionária possa passar adiante. Mas há temor em se renegociar os contratos porque não se sabe a reação de órgãos como o Tribunal de Contas da União.
Mas temos investidores no Brasil interessados em participar dessa transição?
Eu acho que não. Há escassez de investidores gabaritados e em condições de mobilizar financiamentos.
E os investidores estrangeiros?
Sabemos que as empresas sondam investidores estrangeiros para passar adiante. Mas os gringos têm receio até de entrar em projetos novos. Podem pedir taxas de retorno muito elevadas – afinal, como assumir algo novo se sabem projetos antigos têm problemas não resolvidos?
Fonte: “O Estado de S. Paulo”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura. Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO. Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou

Monopólio Artificial e Monopólio Natural, você sabe qual a diferença?

Hamilton Silva é jornalista e economista O monopólio natural  Um monopólio pode ser natural ou artificial.  No primeiro caso, o monopólio é consequência de que é o monopolista que melhor oferta o valor – um bem ou serviço – naquele contexto. O monopólio natural não conta com nenhuma barreira protetora ou privilégio; é simplesmente a melhor das possibilidades disponíveis no momento. Isto é, dadas às circunstâncias, qualquer um pode tentar competir diretamente com o monopolista, mas enquanto não ocorre isso é ele quem melhor satisfaz as necessidades dos consumidores, dadas as alternativas.  Se certo cirurgião é o único cirurgião no mundo que realiza o transplante de um determinado órgão vital, ele detém o monopólio desta habilidade. Do mesmo modo, outros valores cuja oferta é naturalmente restrita são monopólios naturais.  Se um monopólio natural traz ao monopolista benefícios especialmente grandes, estes benefícios chamarão a atenção da sociedade, que canaliza

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as