Pular para o conteúdo principal

DF TEM CERCA DE 17 MIL SÍNDICOS PROFISSIONAIS

Aldo Júnior
A função de administrar o condomínio vai além de conciliar divergências entre condôminos. Conheça um pouco mais sobre a função


Tem gente que revira os olhos só de ouvir que foi marcada reunião de condomínio. Horas de discussão e taxa extra encenam os piores embates da imaginação. Ter problemas de convivência entre condôminos e gastos não previstos no orçamento anual é comum, por isso o síndico é tão importante para conciliar todas as reivindicações. A atividade administrativa é apenas uma das tarefas dessa função que para muitos virou profissão.

Há alguns anos, ser síndico não era carreira profissional. O cenário mudou com aumentos de exigências dos moradores, quantidade de casas ou apartamentos dentro dos condomínios e leis mais rígidas. Hoje, muitos buscam cursos de formação e se dedicam exclusivamente a administração do prédio.

Atualmente, no Distrito Federal há 17 mil síndicos, de acordo com a consultoria JR Office, especializada em condomínios da capital. “Os novos administradores fazem curso, estudam e trocam experiência com outros profissionais. A profissão, porém ainda não é regulamentada, apesar de tramitar no Congresso um projeto sobre o caso”, explica o especialista em administração condominial Aldo Júnior.

Especializar-se é importante para fortalecer o networking e trazer noções administrativas, jurídicas, de arquitetura, engenharia e de gestão de pessoas necessárias ao trabalho.

Salário
Além da aptidão para o cargo, a remuneração é um dos atrativos. Alguns condomínios, como em Águas Claras, chegam a pagar R$ 20 mil por mês. Além de ser o representante de todos os moradores, o síndico tem que cobrar dos condôminos as suas contribuições, prestar contas à assembleia, resolver conflitos, propor soluções e ainda zelar pela manutenção.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000