Pular para o conteúdo principal

‘BRASÍLIA NÃO MERECE PERDER TEMPO COM ATITUDES TÃO PEQUENAS', DIZ CLÉBER PIRES AO CRITICAR DEPUTADO DISTRITAL

O presidente da Associação Comercial do Distrito Federal, Cleber Pires, criticou o fato de o projeto de Lei dos Puxadinhos, que deveria ter sido votado na última quarta-feira, tenha sido retirado de pauta por caprichos pessoais de apenas um deputado. “Quero fazer um apelo para Wasny de Roure: pense melhor em Brasília, que vive um crescimento desordenado e que os puxadinhos não deixam de ser uma vergonha para a cidade”.
Apesar dos seus cinco mandatos como deputado distrital e ter sido presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, o deputado distrital Wasny de Roure (PT) não deve se lembrar ou ter conhecimento do projeto de Lei dos Puxadinhos, proposição esperada por mais de quinze anos por centenas de empresários estabelecidos na Asa Sul.
Os deputados distritais não entenderam, e muito menos o setor produtivo do DF, sobre o pedido de adiamento feito pelo líder do PT na Casa, que disse desejar “conhecer melhor” o PLC nº 71/2016, que estende o prazo para a regulamentação dos “puxadinhos”, que terminaria no dia 31 de outubro.
Apesar de ter tido quórum na sessão de quarta-feira (31), e com a proposta constando na pauta de votação, o petista pediu vista do PL. A apreciação do projeto acabou ficando para a próxima terça-feira (6).
EMPRESÁRIOS IRRITADOS COM WASNY
Os empresários de Brasília ficaram bastante irritados com o deputado petista. O presidente da Associação Comercial do Distrito Federal, Cleber Pires, afirmou ao Radar que nunca o setor que dirige esteve tão próximo de regularizar essa situação ao buscar uma padronização que automaticamente proporcionará a geração de empregos imediata à esfera comercial.
Ele afirmou que há duas alternativas para os empresários da Asa Sul: “Ou manda demolir esses “puxadinhos” ou o governo regulariza o irregular”. Para o dirigente empresarial, não cabe mais esse tipo de embromação que já perdura por quinze anos.
No entendimento de Cleber Pires, a Câmara Legislativa tem um papel muito importante no âmbito da sociedade e que um parlamentar tem que se atentar pelos interesses coletivos da população e não para o interesse individual.
“Essa proposta de iniciativa do Executivo passou por um amplo debate com a sociedade. Os “puxadinhos”, atualmente, são abrigos de marginais que transformam esses espaços em cracolândias. Volto a fazer um apelo ao Wasny, que ele nos ajude a botar Brasília no rumo certo. Quero aplaudir o empenho da deputada Telma Rufino, presidente da CAF, que acelerou as discussões e trabalhou muito ao lado de seus pares e da sociedade produtiva para regularizar os “puxadinhos”. Brasília não merece mais perder tempo com atitudes tão pequenas, com todo o respeito ao deputado Wasny de Roure”, concluiu Cleber Pires. As informações são do “Radar Condomínios”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Verdade nua e crua

 O jogo político está empatado, os atores da política nacional jogam no limite possível.  Não há como destituir o presidente Jair Bolsonaro do seu cargo. A oposição já sabe disso. Não vai trabalhar por impeachement , pois todas ações neste sentido passam pela aprovação da Câmara dos Deputados e o presidente Arthur Lira já deu sinais diferentemente de Rodrigo Maia  de ser um "homem de palavra".  Bolsonaro está acastelado. Ele tem o cargo de Presidente da República, o que não é pouca coisa, tem as ruas, os movimentos de milhões, ignorados pelos jornais e tem as Forças Armadas. Muito dificil derrubar. A oposição só tem uma chance de vencer Bolsonaro: Fraudando as Urnas e por isso o ponto de equilibrio desse jogo é a aprovação ou não da PEC 135/2019.  As estratégias adotadas pela oposição revelam o total desespero dos atores políticos, isto porque mal aprofundam as ações em curso como foi o caso do impeachement na Câmara dos Deputados e já implementam outra seguida do insucesso.