Pular para o conteúdo principal

OPINIÃO:UMA ILHA QUADRADA FORA DA ELEIÇÕES "sqn"

Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Fico morrendo de rir dos debates sobre a política que envolve o entorno do Distrito Federal. Em primeiro lugar pelo exercício de "adivinhação" e masturbação ideológica com que os analistas, jornalistas e políticos debatem o assunto de maneira  responsável e periférica  acertando o alvo do politicamente correto  esse "causo" eleitoral. Vamos ser mais criativos.Mais honestos com os problemas nevrálgicos e mais sensatos com os programas de governo.

A situação do processo eleitoral, mesmo com as reformas superficiais que estão sendo implantadas nesse pleito não atingem de maneira satisfatória a cultura do "toma lá da cá", apesar de acompanhar a distância visualizo uma campanha mesquinha da mesma forma das anteriores com avaliações pífias e rasas sem avaliar de forma definitiva os programas de governo quem muitos nem tem.. 

As sociedades interessadas (brasiliense e goiana) nessas eleições parecem embriagadas pelo apetite dos candidatos. Seduzidos sim comprados nunca. Não é o que parece. O poder econômico ainda prevalece nesses "currais eleitorais" periféricos que de forma dinâmica e oportunista saltam a cerca do entorno para dentro do DF, trazendo não só os votos e relacionamentos escusos, mas também os problemas sócio econômicos profundos lá gerados e enraizados. Lamentável. 

O único interesse que os políticos do DF tem em participar do processo eleitoral é mesmo  de sempre: Rastrear, cooptar e se possível comprar aqueles que se colocam à venda.

A Reforma Política que paira sobre o Congresso Nacional indica não transformar a cultura sedimentada nos fins que justificando os meios. O politico brasileiro é resultado da cultura do "jeitinho" (pejorativo) do brasileiro. 

Infelizmente, amigo,  mais uma vez cético.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Bolsonaro ensaia ‘dobradinha’ com Ibaneis

  Foi hoje na posse do novo ministro Ciro Nogueira cacique do PP que Jair Bolsonaro disse:   “Dispenso comentários. Nós aqui somos um só governo. União e Distrito Federal é um casamento perfeito” , declarou Bolsonaro aos presentes na solenidade. O horizonte eleitoral é muito mais curto que os trezes meses até o pleito. Ibaneis Rocha (MDB) para governador e Jair Bolsonaro para presidência seria uma chapa imbatível no Distrito Federal. Ambos foram muito bem sucedidos em 2018  no quadrado do Planalto Central. Bolsonaro teve 69,99% cerca de 1.080.411 votos no segundo turno e Ibaneis Rocha recebeu 1.042.574 votos – o equivalente a 69,79% dos votos válidos. Bolsonaro é “raposa felpuda” com mais  de trinta anos de vivência  no Congresso Nacional e apesar de Ibaneis ter conquistado o seu primeiro mandato vem surpreendendo com quase 3 anos de uma gestão positiva ou do “bem”. O resultado eleitoral em 2018 jamais poderá ser ignorado sob pena de se repetir a derrocada de seus opositores. Opositore

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização