Pular para o conteúdo principal

TRIBUNAL DE CONTAS DO DF OFERECE CURSO

O Tribunal de Contas do Distrito Federal - TCDF, por meio da Escola de Contas Públicas, ofertará o curso “Gestão e Fiscalização de Contratos Administrativos – Módulo II”.

O segundo módulo do curso discute os principais temas relativos aos processos de contratações públicas e suas relações com a gestão e fiscalização de contratos administrativos, ressaltando os entendimentos dos Tribunais de Contas, bem como os julgados proferidos pelo Poder Judiciário. Acerca do assunto: Não é necessário ter completado o primeiro módulo do curso para participar do segundo.

As vagas são limitadas, fique atendo ao período de inscrições! 

Data do Curso: 19/09/2016 a 23/09/2016, das 14h às 18h.
Local: Sala de Treinamento da Escola de Contas do TCDF
Inscrições: De 05/09/2016 a 12/09/2016 no site www.tc.df.gov.br
Carga Horária: 20 horas-aula
Frequência mínima para certificação: 80%

Conteúdo Programático
1.     Rescisão dos Contratos Administrativos;
2.     Aplicação de Sanções Administrativas pela Inexecução de Cláusulas Contratuais e/ou pelo Cometimento de Infrações Contratuais;
3.     Acompanhamento e Fiscalização da Execução dos Contratos Administrativos;
4.     Responsabilidade da Administração pelos Encargos Resultantes da Execução Contratual.

Instrutor
Roberto Dias Santiago – Graduado em Educação Física pela Universidade de Brasília – UnB, com exercício de magistério na área de formação. Pós-graduado em Direito Público pela Universidade de Brasília – UnB e em Contabilidade Pública pela Universidade Gama Filho. Graduando em Ciências Contábeis na Universidade Católica de Brasília.
Atuação como instrutor em cursos relacionados à atividade de administração orçamentária e financeira, contratação pública, gestão e fiscalização de contratos administrativos, além de experiência profissional como professor de educação física da Secretaria de Educação do Distrito Federal. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria