Pular para o conteúdo principal

REFORMA PREVIDENCIÁRIA: VAMOS MORRER TRABALHANDO E OS POLÍTICOS NÃO ENTRAM NESSA "ROUBADA"


Foto internet
A proposta de reforma da Previdência que o governo do presidente em exercício Michel Temer vai enviar ao Congresso pode prever a adoção da idade mínima para aposentadoria em duas etapas. Ao final delas, o trabalhador precisará ter completado 70 anos para ter direito ao benefício integral. Num primeiro momento, está cristalizada a idade mínima de 65 anos para homens e um pouco menos para as mulheres (provavelmente, 62). O período de transição para adoção da medida será de 15 anos para eles e um tempo maior, ainda não estipulado, para elas", diz o texto. "Depois de instituída a idade mínima de 65 anos, haverá um intervalo de dez anos sem mudança na exigência e, em seguida, será fixada a nova faixa de idade, de 70 anos para ambos os sexos, mas com período de transição maior para as mulheres."

A postergação da idade mínima para se aposentar para 70 anos, sem postergar ao mesmo tempo a data de início das contribuições, será um golpe para aumentar os impostos e nada mais.

Ao aumentarmos a aposentadoria para 70 anos, isto significa que todo jovem só precisará contribuir por 30 anos, postergando assim o início da criação do fundo atuarial e financeiro a partir dos 40 anos de idade.

Isto é sensacional, contribuir por 30 anos a partir dos 40 é muito mais fácil do que a partir dos 15 ou 25. Para não dizer que é um absurdo.

E o governo, mesmo assim, vai arrecadar muito mais do que com a minha geração. Dos 40 aos 70 se ganha duas ou três vezes mais do que se ganha dos 15 aos 30.

Uma das razões da pobreza neste país é que no início das nossas carreiras contribuímos com quase 30% do salário justamente quando temos as despesas do FIES, casamento e casa nova para pagar.

Devido à ganância de muitos ministros
, que não conseguem esperar um único minuto para começar a taxar a nova geração, todos nós éramos obrigados a contrair uma dívida, seja o FIES, seja para a casa própria nos atolando juros sobre juros e uma dívida impagável.

Uma dívida das mais caras do mundo, de novo por decisão de nossos políticos , de quase todos os Partidos que já detiveram o poder, sem nenhuma exceção.

Isso garante a perpetuação da nossa pobreza, graças à ganância temporal do Estado, e é isso que precisamos mudar. A reveladora mascara populista dos pensadores previdenciários.

Finalmente temos como não contrair mais dívidas no início das nossas carreiras para podermos ter um padrão de vida próximo ao dos nossos pais.

Lembre-se que a rigor todos nós nascemos pobres. Mesmo os pais de classe média não têm como pagar por nossas faculdades e casas próprias. Levando toda sociedade ao sacrifício de um país eternamente em desenvolvimento.

O Estado nos obrigando a um endividamento logo cedo nas nossas carreiras, com juros estratosféricos, nossos políticos  perpetuam assim a pobreza para sempre.

E a narrativa é a de que precisamos poupar pela nossa velhice já, apesar de ela ocorrer somente 50 anos depois. Agora é o momento para lutar 
 contra isso, postergando também o início das contribuições do INSS, tanto quanto.

E para aqueles que já contribuem, lutar por uma pausa nos pagamentos igual aos anos a mais que estão lhe acrescentando para se aposentar.

Exigir que jovens paguem desde o início da carreira a sua reserva atuarial sempre foi um absurdo financeiro dos nossos economistas e não está escrito na Constituição, somente a necessidade de se criar um fundo financeiro e atuarial.

Nós teríamos proposto pagar um pouco mais por 20 anos, a partir dos 35 para compensar, do que pagar um pouco menos por 30 anos matando o jovem no início da sua carreira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as