Pular para o conteúdo principal

PRODUZA VOCÊ MESMO - CASA THOMAS JEFFERSON INAUGURA MAKER SPACE



Foto: Ascom Thomas Jefferson
Com metodologia inovadora, instituição abre as portas de um espaço educacional destinado à idealização e execução de projetos, com suporte para viabilizá-los na prática

Pioneira e vanguardista, a Casa Thomas Jefferson traz para a capital federal um conceito diferenciado de educação. Dia 09 de agosto, a instituição inaugura o primeiro maker space de um centro binacional na América do Sul. O novo espaço foi instalado na unidade da Asa Norte (606 Norte) para atender adultos, jovens e crianças, estimulando o espírito empreendedor, autônomo, criativo e inventivo.
O maker space ou “espaço para se fazer” é mais do que uma simples sala de aula. É um ambiente de aprendizagem que estabelece um elo paradoxal entre teoria e prática, passado e futuro, o simples e o complexo. Em resumo, um maker space nada mais é que um local onde o conhecimento é verificado, testado e posto à prova. Por meio da experimentação e de uma pesquisa original, mediada por professores e tutores, os alunos desenvolvem um projeto autoral.
Em 600m², que incluem salas-laboratórios, resource center e auditórios, a instituição investiu em equipamentos para dar suporte aos estudantes, como máquinas de costura, impressoras, cortadores a laser e até mesmo uma impressora 3D. Tudo para que se possa executar os projetos de forma realista, para que se tornem startups viáveis e autossustentáveis.
O objetivo central do espaço é ir além dos alunos da própria instituição em suas atividades, algumas gratuitas inclusive. A proposta abrange o envolvimento da comunidade para fomentar a produção de conhecimento dentro da Casa Thomas Jefferson. O compromisso da instituição sempre foi com a educação, por isso trabalha-se com o intuito de abrir um espaço de efervescência cultural. Abrem-se as portas de um ambiente de acolhimento e maturação de boas ideias.
O indivíduo maker
Para se compreender melhor o que almeja esta metodologia, é preciso entender o que é um maker. O conceito foi apresentado pela primeira vez por Dale Dougherty em 2005, que deu início ao movimento nos Estados Unidos. Para ele, a sociedade chegou a um ponto de exacerbado consumo e imediatismo.
A partir disto, ele viu a necessidade de instigar as pessoas à criação, criatividade e reflexão, mas principalmente da execução. De uma forma mais estreita, é o melhor aproveitamento dos recursos naturais e dos objetos. Do ponto de vista amplo, é ser o protagonista de um processo empreendedor, que se propõe e desenvolver soluções para problemas cotidianos.
Ensino da língua inglesa
Um dos pilares da Casa Thomas Jefferson é o ensino da língua inglesa. Por isto, as aulas, oficinas e workshops oferecidos são ministrados em inglês, desenvolvendo o pensamento no idioma e exercitando-o. Afinal, o inglês é fundamental para que uma startup cresça e conquiste o mundo. O aluno precisa ser capaz de elaborar, apresentar e comercializar projetos na língua mais utilizada no mundo business.
A Casa Thomas Jefferson
Fundada em 1963 na recém-inaugurada capital federal, a Casa Thomas Jefferson é um centro binacional, sem fins lucrativos. Isto significa que o nosso principal objetivo é promover o intercâmbio cultural entre dois povos do continente americano: o Brasil e os Estados Unidos. Este intercâmbio se dá por meio do ensino da língua inglesa e da promoção da cultura dos dois países. Por isso, além dos cursos regulares e especiais, elaborados de acordo com as mais modernas técnicas de ensino, são oferecidos uma série de serviços que estão à disposição da comunidade. Atualmente conta com seis unidades: Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Sudoeste, Taguatinga, Águas Claras, além de polos em escolas parceiras.
 
Serviço
Maker Space Casa Thomas Jefferson
Endereço: SGAN 606 Bloco B (entrada pela L3) – Brasília-DF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as