Pular para o conteúdo principal

PORQUÊ A CPI DA SAÚDE TEM A OBRIGAÇÃO DE NÃO ACABAR EM PIZZA

Opinião Blog: logo
01 porque é seu papel

A Comissão Parlamentar de Inquérito tem como uma das principais características uma  data de validade, ou seja, - esse tempo já deve vir estipulado no texto de instalação  e pode ser prorrogado. Quando chega ao fim, o relator da CPI precisa apresentar um relatório, que pode conter denúncias e fatos que posteriormente serão apurados pelo Ministério Público. Porém, a CPI não tem o poder de punir ou mesmo de entrar como uma ação civil ou criminal. Todavia do ponto de vista político a CPI da saúde tem o dever de clarear as denúncias e gravações que foram feitas pela presidente do Sindsaúde, Marli Oliveira.

02 porque as CPIs não tem credibilidade;

Desde que a Consituição Federal  de 1988 estabeleceu e mudou significamente as funcionalidades das  Comissões Parlamentares de Inquerito, poucos resultados práticos do ponto de vista a contribuir para a melhoria de nossa sociedade foram contabilzados e criminosos penalizados em virtude dessa pouca produtividade as comissões não tem o que comemorar. A credibilidade desses trabalhos estão prejudicados e precisam de notoriedade, transparência e eficácia nas suas atribuições para que o descrédito seja eliminado e descolado das CPI's. 


03 porque Brasília está infestada de corrupto

Na CPI dos Transportes Segundo a Celina Leão (presidente da Câmara Legislativa), todos diziam que a CPI iria dar em pizza. Mas não deu. O trabalho desenvolvido pela CPI do transportes da Câmara Legislativa do do DF  e conseguiu anular o edital que traria um prejuízo de quase a R$ 1 bilhão aos cofres públicos, por ano. E isso seria por 20 anos. 

Por outro lado, Muitos de nossos senadores em passado recente nos levaram à vergonha por exemplo: Gim Argelo, Luiz Estevão , Roberto Arruda e Roriz, foram processados por crimes e por raras vezes se relacionaram com CPI e até se a transformaram em ferramenta útil ao fascínoras corruptos, caso do Gim na famosa CPI da Petrobras em 2014 leia mais.

04 porque a chefe do Legislativo tem compromisso moral

O fato é que a demora na elaboração de um relatório final da CPI da saúde pode levar a um descrédito generalizado. Neste caso específico não é o que parece.  Os trabalhos nesta data parecem lentos e com datas esticadas, tanto que está dando espaço para o Ministério Público e polícia civil agirem nas suas diligências. A quem interessa essa morosidade?

Celina Leão, desde que assumiu seu novo mandato de deputada distrital vem se destacando pelo compromisso com seus eleitores é bom trabalho pautado pelos princípios que fizeram a chegar no poder. Moralmente a parlamentar tem a obrigação de acelerar o processo de apuração , ou pelo menos agir, para que venha a luz todas as informações  deflagradas pela diretora do Sindsaúde.

Se a deputada agir com energia desproporcional na resolução dos fatos o risco de comprometer possíveis voos mais altos na carreira política é iminente.

05 porque o legislativo pode mudar sua própria reputacão

A população tem acompanhado todos os movimentos de forma efetiva. O eleitorado brasiliense é um dos mais informados do Brasil e portanto só é enganado quando ignora essa capacidade.
A inoperância e inércia da Câmara Legislativa tem sido testada constantemente e o processo de apuração  dos fatos terá validade quando os prazos forem cumpridos com excelência.

Concluir que essa CPI pode contaminar e até definir os rumos das eleições em 2018 não é nenhuma novidade, o grande desafio agora é saber quem irá sair ileso.
Acredite amigo, a geripoca vai piar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as