Pular para o conteúdo principal

MOBILIDADE: CICLOFAIXAS OU ACOSTAMENTO?

Numa cidade onde as distâncias são grandes e a estrutura de transporte público é bastante deficiente, as dificuldades de deslocamento nos levam a pensar nas alternativas que poderiam ser imaginadas como alternativas para melhorar o trânsito em nossas vias apinhado de carros  que poluem e engarrafam o caótico trânsito dos grandes centros.

Uma delas seria a utilização de bicicletas, econômicas , não poluentes  e que contribuem para uma vida mais saudável.

Hoje, já podemos ver  a parceria público/privada entre um grande banco privado e o governo local com  a instalação de  bicicletários em  pontos estratégicos da cidade.

Carece, todavia, uma ampla campanha de esclarecimento de como se utilizam esses bicicletários( sistema de pagamento, horas de utilização, outros pontos na cidade, retirada e devolução das bicicletas, entre outras informações importantes ) bem como estrutura nos locais de trabalho de banheiros com chuveiro e vestiários que possibilitem de fato que as pessoas possam usar este meio de transporte para irem ao trabalho. 

Outro ponto importante são as ciclovias. Com raras exceções, as ciclovias são na verdade o acostamento e uma pintura improvisada que os agentes governamentais insistem em chamar de ciclofaixas, nas quais  tanto os usuários  quanto os motoristas sofrem  sérios riscos de segurança já que não são de fato ciclovias, com as especificações técnicas próprias de uma via onde o acesso é de fato exclusivo dos usuários e sem a menor chance de um motorista, no seu direito, ter , em um imprevisto, que utilizar o acostamento em uma situação de emergência.

 As magrelas, como são carinhosamente conhecidas as bicicletas, são muito bem vindas em nossas cidades, mas desde que haja toda a estrutura necessária de segurança para seus usuários e para os motoristas numa convivência segura e pacífica como ocorre em países onde estes cuidados são tomados.

Walesca Borges
Analista Legislativo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

Economia - Função de Oferta

FUNÇÃO DE OFERTA  PODE-SE CONCEITUAR OFERTA COMO SENDO AS VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM, OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO EM FUNÇÃO DE PREÇO (Px). Seja os dados abaixo uma escala de oferta PREÇO (Px) QUANTIDADE OFERTADA (x) 1,00 1.000 3,00 3.000 6,00 6.000 8,00 8.000 10,00 10.000 OUTRAS VARIÁVEIS QUE AFETAM A OFERTA X= OFERTA Px= Preço do bem ofertado Pi = Preço de Insumos (fatores de produção); T = Tecnologia  X =f (Pi)  à X=f (Px, Pi,T) EQUILIBRIO DE MERCADO A lei da oferta e demanda (procura): Tendência de Equlibrio Pts. PREÇO (Px) PROCURA OFERTA SITUAÇÃO DE MERCADO A 1000 11000 11000 Excesso de demanda (escassez oferta) B 3000 9000 3000 Excesso de demanda (escassez de oferta) C 6000