Pular para o conteúdo principal

MOBILIDADE: CICLOFAIXAS OU ACOSTAMENTO?

Numa cidade onde as distâncias são grandes e a estrutura de transporte público é bastante deficiente, as dificuldades de deslocamento nos levam a pensar nas alternativas que poderiam ser imaginadas como alternativas para melhorar o trânsito em nossas vias apinhado de carros  que poluem e engarrafam o caótico trânsito dos grandes centros.

Uma delas seria a utilização de bicicletas, econômicas , não poluentes  e que contribuem para uma vida mais saudável.

Hoje, já podemos ver  a parceria público/privada entre um grande banco privado e o governo local com  a instalação de  bicicletários em  pontos estratégicos da cidade.

Carece, todavia, uma ampla campanha de esclarecimento de como se utilizam esses bicicletários( sistema de pagamento, horas de utilização, outros pontos na cidade, retirada e devolução das bicicletas, entre outras informações importantes ) bem como estrutura nos locais de trabalho de banheiros com chuveiro e vestiários que possibilitem de fato que as pessoas possam usar este meio de transporte para irem ao trabalho. 

Outro ponto importante são as ciclovias. Com raras exceções, as ciclovias são na verdade o acostamento e uma pintura improvisada que os agentes governamentais insistem em chamar de ciclofaixas, nas quais  tanto os usuários  quanto os motoristas sofrem  sérios riscos de segurança já que não são de fato ciclovias, com as especificações técnicas próprias de uma via onde o acesso é de fato exclusivo dos usuários e sem a menor chance de um motorista, no seu direito, ter , em um imprevisto, que utilizar o acostamento em uma situação de emergência.

 As magrelas, como são carinhosamente conhecidas as bicicletas, são muito bem vindas em nossas cidades, mas desde que haja toda a estrutura necessária de segurança para seus usuários e para os motoristas numa convivência segura e pacífica como ocorre em países onde estes cuidados são tomados.

Walesca Borges
Analista Legislativo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as