Pular para o conteúdo principal

JUSTIÇA DO TRABALHO DETERMINA NOMEAÇÃO DE TODOS APROVADOS NO CONCURSODO METRÔ DF

foto: Internet
Metrô-DF terá 20 dias para nomear aprovados em concruso público. Decisão é da justiça de trabalho do DF

Boa notícia para os aprovados no concurso público realizado pela Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Concurso do Metrô-DF). O juiz do Trabalho Gustavo Carvalho Chehab, da 3ª Vara do Trabalho de Brasília, julgou parcialmente procedentes os pedidos do Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) e determinou que o órgão convoque, no prazo de 20 dias a partir do trânsito em julgado, TODOS os candidatos aprovados no concurso público que estão dentro do quantitativo de vagas ofertadas no Edital de Abertura.
Também decidiu que caso algum dos convocados não preencha a vaga ofertada, o aprovado em Cadastro de Reserva logo abaixo, respeitada a ordem de classificação, tem direito a ocupá-la, devendo também ser convocado para o preenchimento da vaga de possível desistente.
O magistrado discordou da argumentação do Metrô e fez coro ao MPT, que entende que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), alegada pela defesa da Companhia como impedimento para falta de contratação, não é motivo plausível que justifique as ausências de nomeações.
“Eventual descumprimento da LRF sequer é considerada situação não previsível, pois a Administração deve ordinariamente observar os ditames do planejamento financeiro e do equilíbrio autorial de suas contas. O gasto de pessoal do Metrô corresponde a pouco menos de 16% do orçamento, índice bastante inferior ao teto máximo previsto na LRF. Em outras palavras, a reclamada, pela documentação acostada, não sofre restrições da Lei de Responsabilidade Fiscal para a contratação”, conclui.
Chehab ainda reforça que houve incremento de quase 60% na previsão de despesas com a folha de pessoal entre 2014 e 2015, e que este índice é bem superior a qualquer reajuste salarial, o que leva a crer que a Lei orçamentária já contém receitas decorrentes da contratação de novos servidores.
Sobre o concurso
Na disputa pelas 232 vagas imediatas, estiveram 98.258 mil inscritos, a maior parte para o cargo de assistente administrativo, com 40.609 candidatos disputando 24 vagas, uma média de 1.692 candidatos/vaga. Outro cargo de nível médio que atraiu muitos candidatos foi o de Operador de Transporte Metroferroviário (que exige ainda CNH “B”). Com 86 vagas imediatas e salário de R$ 2.916, a função instigou 29.309. Para nível superior, a maior procura foi para analista ferroviário (Advogado), com 3.614 candidatos disputando 6 vagas, média de 602 candidatos/vaga.
Os candidatos tiveram que resolver 50 questões objetivas, divididas igualmente entre Conhecimentos Básicos (Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico, Legislação, Microinformática e Atualidades) e Específicos. Houve ainda prova discursiva, que consistiu em redação de 20 a 40 linhas. Foram aprovados na prova objetiva aqueles que acertaram 13 questões de cada grupo e não zerarem a disciplina Língua Portuguesa. Na discursiva, foi preciso ter nota igual ou superior a seis. 
Os contratados receberão salários que vão de R$ 2.916 a R$ 7.020, para carga de trabalho de 40 horas semanais. Para quem tem nível médio, são diversos cargos e especialidades. Os ganhos, para estes, podem chegar a R$ 3.240.
Grancurso

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as