Pular para o conteúdo principal

ÉTICA: PONDERAÇÕES


 Paixões, todos temos. E o que é a paixão? Um barco solto, em alto mar, na tempestade, à derivaNecessária, portanto, a educação da nossa vontade, no homem natureza que age sem racionalidade e movido pela paixão, escolher o bem e  discernir o mal  e o vício e escolher o caminho da virtude. E só a razão leva à uma vida bela  e feliz. Numa sociedade dividida por interesses conflitantes, um valor importante  são as escolhas de forma democrática, escolhas no campo da política em que todos são iguais e elegem representantes considerados idôneos para agir conforme a vontade do povo, com respeito ao tempo e ao espaço das coisas e em que se busca o equilíbrio entre  a individualidade e a coletividade.
A arte de viver da ética antiga , a ética dos gregos, buscava a ética da beleza, a estética da vida, da existência, a beleza do Cosmos, o homem belo é  ético na medida em que vai em busca da ordem, da beleza, da harmonia do Cosmos, o homem virtuoso.
Trazer para  a vida pessoal a beleza do Cosmos deu expressão à beleza que lhe é inata. Lembrando que a excelência é uma conquista, o homem se torna bom. A vida como  viagem rumo ao caminho da virtude e do bem viver.No mundo ideal, cada um com suas funções em harmonia com os demais. Virtuosismo pessoal, ter prazer, ser sereno, mesmo no caos. Cidades como reflexos da beleza do cosmos. O homem nasce para a felicidade, para a saúde da alma . E só o afastamento da ignorância  traz a autogestão de si mesmo e a consciência de que o universo público não pode se tornar pessoal.Conhecimento, razão, mundo maior, amizade que se concretiza nos jardins, serenos, felizes, encontros, conversação, prosas, o direito ao bem, à cidadania e à eletividade. A ética exige racionalidade, sai da fatalidade e sai em busca da  felicidade, pressupõe um dever, um bem, uma conquista do que é virtuoso, é liberdade porque, apesar  de tudo, abre uma porta para  se realizar o que se deve e pode fazer a partir da administração dos desejos. Eu busco jardins. Não há nada a temer, a felicidade é possível, a dor pode ser superada, a felicidade é uma conquista, direito de todos e luta de autonomia, de prazer, de alegria da felicidade com responsabilidade. 
Uma consideração importante é a existência de diferentes éticas, de acordo com os países, povos, religiões, culturas que irão determinar o que é ético para um povo não é para outros. Muçulmanos e talibãs pensam e possuem ética diferente dos sul americanos ou norte americanos. 
Outro aspecto importante é a legitimidade: apenas  ela garante a obediência ou a transgressão. O direito legítimo como seiva sagrada que corre nas árvores e nos rios. Ungida, soberania. Soberania e natureza. O Rei faz corpo com a natureza.Princípio mágico: o bom governo medieval prezava pela justiça, bondade, caridade. O Rei justo em que cada um ocupa o seu lugar numa ordenação cósmica. Como numa mandala, sem cabeceiras, cavaleiros da Távola redonda.
E essa bondade é mantida nos dias atuais, as esmolas, o bolsa família, o Rei magnânimo, metade do feudo para os demaisO Rei a cabeça, o corpo, os súditos, relação harmônica com os súditos para que o corpo seja saudável. O tirano escraviza os súditos, relação de medo, perda da legitimidade.  O Rei justo é movido por amor o Rei tirano pelo medo, por isso ele precisa da PM, do exército  e das forças de segurança para se proteger e ao povo também já que o natural é que a violência seja exacerbada nessa relação doente. O uso da força para conservar o Estado e seus valores.
Na modernidade, além de justo, o Rei deve ser eficiente e usar a máquina do Estado de forma eficaz. Não basta só ser bom, tem que ser eficiente.
A consulta periódica e sistemática ao povo de seus representantes constitui legitimidade, como a força do sol, eleições, como o bem, o  sol que coloque luzes no que está escuro, o sol dá vida e aproveita as ações. Modernidade, eficiência, o eu e o outro, será bom se for eficaz.
A sociedade necessita de normas, isso diminui a distância entre o bem  e o mal
O homem decide, o sagrado sai dos Deuses e vai para o indivíduo, por isso o enfraquecimento da Igreja e o fortalecimento do cidadão.
O procedimento passa  ser mais importante que o valor e a forma democrática circularhomens iguais e livres para escolher seus rumos. Fazer o que se deve e não o que se quer de forma anárquica. autoridade e ordem conferem limites à liberdades sem limites. E surge a ética da alegria,  no lugar da ética da transgressão. Quando você diverte uma mulher, vocêtem tudo que quer!
Qual o mal da sociedade moderna e contemporânea? A individuação em detrimento da coletividade.
A cura das polis? Quando pensarmos mais como seres coletivos:
- ciclovias
- meio ambiente
- praças de convivência
- transporte público de qualidade
- associações de classe
- festas da comunidade
-eficiência
-formas circulares
- reuniões ao ar livre
-cursos técnicos de qualidade de forma que capacite profissionais em todos os níveis de modo a garantir que todas as classes se sintam reconhecidas e importantes no processo de produção, planejamento, etc.

Walesca Borges
Analista Legislativo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria