Pular para o conteúdo principal

CRISE FINANCEIRA: GDF FALA DE PARCELAMENTO NOS REAJUSTES DE OUTUBRO


Sérgio Sampaio
Falta mais de R$ 1 bilhão para o GDF fechar as contas de 2016. O preocupante deficit foi anunciado pelo chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio. Justamente pelo argumento de falta de recursos, o governo enfrenta três grandes greves, mobilizadas por servidores da Polícia Civil, Metrô e Caesb. Em outubro, 32 categorias aguardam um reajuste coletivo prometido no final de 2015. Neste cenário, o Palácio do Buriti mantém a promessa. Mas, pela primeira vez, cogita propor o parcelamento da recomposição.
“Na semana passada, ficamos aqui até 2h da manhã vendo todas as fontes possíveis e imagináveis que a gente vai poder levantar de recursos. Porque a nossa ideia é honrar aquilo que foi prometido às 32 categorias no ano passado. Já que postergamos um ano, faremos de tudo”, declarou Sampaio. Se até outubro o Buriti não equacionar o caixa para arcar com os aumentos, o chefe da Casa Civil já ensaia uma proposta de emergência para os trabalhadores, dividindo os reajustes.
“Nós vamos conceder os reajustes, mas não garantimos o pagamento sem parcelamento. Pode ser que a gente chegue a uma situação como essa se não conseguir novas fontes. Mas nós vamos ser absolutamente francos e sinceros quando chegar o mês de outubro e tivermos que nos posicionar a respeito”, afirmou Sampaio. A situação é tensa, pois lideranças das categorias já anunciaram que, a princípio, não aceitarão qualquer tipo de atraso.
Além do impasse com as categorias, o GDF enfrenta dificuldades para fechar o orçamento em áreas importantes do serviço público, a exemplo da Saúde. O próprio governador pediu ajuda para Câmara Legislativa em busca de mais dinheiro para a rede pública. Nesse sentido, os deputados distritais avaliam a possibilidade de destinar emendas para a manutenção de hospitais e compra de medicamentos e insumos.
“Nós temos hoje a necessidade de pouco mais de R$ 1 bilhão para fechar o ano. Isso sem a concessão de nenhum reajuste. Para fecharmos, precisamos do orçamentário e, principalmente, do financeiro”, comentou. Sampaio voltou a repetir o mantra da gestão Rollemberg: “O DF chegou a uma condição de gastar muito mais do que ganha. Estamos falando de orçamento de R$ 32 bilhões que consome R$ 26 bilhões somente com salários. Quando agrega outras despesas como mobilidade, subsídios, a gente pula para R$ 27,5 bilhões. Sobram R$ 4,5 bilhões para fazer toda manutenção da cidade”, argumentou.
O governo ainda tem sobre os ombros uma dívida de R$ 3 bilhões com fornecedores herdada da gestão anterior, de Agnelo Queiroz. Estes débitos têm prejudicado de sobremaneira a agenda. Além de protestar, credores criam dificuldades para a realização de novos contratos e serviços junto ao Buriti.

Fonte: Jornal de Brasília 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria