Pular para o conteúdo principal

Opinião: Mais seis razões para não vender nossas empresas

logomarca do blog do Hamilton Silva

Esse é o segundo texto (leia o primeiro aqui) que posto a respeito das privatizações que poderão ocorrer no Brasil nos próximos meses. Defendo uma avaliação de controle e eficiência sistemática, discriminada com gestão colegiada e com mecanismo de retomada do setor público caso haja negligência na execução das efetivas operações e serviços, já que a a entrega do patrimônio público não resolve os problemas nem da população e muito menos os problemas gerados no mercado de oferta e demanda oriundos da iniciativa privada.

Continuarei escrevendo aqui as teses, textos e posicionamentos sobre o tema, pois considero de extrema importância para a nação e principalmente porquê a conjuntura sócio econômica exige esse debate.
Segue mais seis razões que não justificam as privatizações (entrega da gestão do patrimônio à inicitiva privada) 

 

01- Fuga de capitais

Com as privatizações, grupos estrangeiros passam a comprar as empresas estatais e a repassar ao exterior os lucros do trabalho do brasileiro. Logo, as privatizações geram fuga de recursos para o exterior e fazem o Brasil ficar mais pobre.

02 - Universalização

Com a privatização, uma empresa pode se negar a oferecer determinado serviço importantíssimo em determinada localidade por causa de sua baixa viabilidade econômica. Logo, até os brasileiros com recursos podem ser prejudicados pela falta de serviços.

03 - Crise

As crises do capitalismo são cíclicas. Logo, quando o Estado controla determinada atividade, existe mais segurança de que ela será cumprida e não será abalada por crises. Empresas estatais não costumam declarar falência, pois se resguardam no Estado.

04 - Consequências

O resultado das políticas de privatizações promovida pelos governos neoliberais tornou o Brasil mais pobre, todavia mais competitivo, mais desigual e mais injusto, apenas enriquecendo uma pequena classe de empresários e políticos. Isso pode parecer um discurso "bolivariano" e de esquerda Logo, as privatizações colaboram para que a sociedade seja mais desigual e aplica o capitalismo selvagem. Liberalismo, esse,  que necessita de um maior controle e fiscalização não permitindo o Dumping e Monopólio que inviabializaria uma saudável concorrência.

05 - Constituição

Nossa Constituição é social e democrática de Direito, e determina que o Estado preste diretamente serviços como o de educação, saúde e assistência social, podendo a iniciativa privada atuar apenas de forma complementar/suplementar, não sendo possível a concessão de serviços públicos sociais.

06 - Prejuízo

Com as privatizações o Estado perde uma importante fonte de receita. Imagine quantos hospitais e escolas poderíamos construir com os lucros que as empresas privatizadas estão obtendo todo o ano. É um desvio de finalidade já que essas empresas foram construídas (financiadas) pelo capital nacional, ou seja pelos nossos impostos.

O que é Privatização?

É um mecanismo que visa vender as empresas estatais para as empresas privadas. Geralmente isso ocorre quando a empresa estatal não está gerando o lucro necessário para competir com o mercado.

Como surgiu o termo Privatização?

Este mecanismo apareceu junto as teorias Adam Smith(Caso você não conheça ele clique neste link), que dizia que  o governo deve intervir minimamente no mercado, pois as intervenções acabam afetando a economia  e a competição as empresas.

Contando um pouco mais sobre as privatizações

As privatizações foram marcas de alguns governos, como EUA(Quando foi governado por Ford, Carter e Reagan) e gestão Thatcher na Inglaterra, com o mundo vendo que estava dando certo, escolheram começar a privatizar e diminuir os custos decorrentes dos serviços e passando para empresas privadas. O primeiro país da America Latina por optar este mecanismo foi o Chile no governo de Augusto Pinochet em 1973. No Brasil as privatizações começaram no governo de Fernando Henrique Cardoso, que realizou diversas privatizações como Telesp, Companhia Vale do Rio Doce, Banespa entre outras.

 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as