Pular para o conteúdo principal

A TERCEIRIZAÇÃO E O ESFACELAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO

Originalmente idealizada para os serviços de segurança, limpeza e copa, a terceirização tem-se mostrado como um agente de pulverização e esfacelamento do serviço público em todos os setores em que é adotado. 
Atualmente, com o desvirtuamento da sua aplicabilidade, a terceirização, quando foge dos serviços básicos onde a realização de um concurso público não se justificaria, feita de forma indiscriminada e para funções similares as dos agentes públicos concursados, causa, além da ausência de isonomia salarial, de carga horária e condições de trabalho, uma competição exacerbada uma vez que um terceirizado ganha um  salário infinitamente menor que um concursado para desempenhar as mesmas funções. 

 
Nada contra os terceirizados, ao contrário,  foi uma saída inteligente para a contratação de serviços que não justificam nos dias atuais a realização de um certame para  a aquisição desse tipo de serviço. 
O seu desvirtuamento, ou seja, a sua aplicabilidade para serviços técnicos em áreas estratégicas é que causa uma gama de problemas que vão desde a subcontratação de mão de obra barata para a realização de tarefas que deveriam ser realizadas sim por servidores de carreira até o acirramento das relações de trabalho numa competição sem sentido ou culpa já que vai contra os trabalhador, tanto concursado quanto terceirizado  que, na contramão da sua valorização,  vê por terra o que deveria ser de fato resgatado: a valorização das instituições que somente através da realização de concursos públicos pode ser almejada.
A defesa de um  serviço público  de qualidade está sem dúvida na realização de concursos públicos em que são  colocados aqueles que foram escolhidos  por serem os mais bem preparados  e  que ingressaram na carreira por méritos próprios, enfim, por servidores de carreira que irão de fato vestir a camisa da sua instituição e a adotarem com sua Casa.   

Walesca Borges
Analista Legislativo


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria