Pular para o conteúdo principal

Um idiota chamado HD. Sobre o Metrô pagar bem e funcionar mau. Não depende de seus funcionários na linha de frente

Quanto mais eu oro mais aparece assombração. Dito popular que se torna real quando acontece conosco. As minhas reclamações de hoje vai para um tal H.D que escreve em jornal famoso de Brasília e que parece não gostar da população que aqui habita e trabalha(Servidores) etc. Desculpa o desabafo.

Logomarca do BlogNão tenho por hábito criticar pessoas aqui nesse espaço que criei para construir, sim construir, essa deveria ser a pauta dos grandes homens. Todavia, quando vejo aberrações no jornalismo é preciso desabafar e jogar a lixeira sobre a mesa de alguns idiotas que se travestem de pseudo intelectuais para difamar e "queimar" uma categoria tão digna como as dos Metroviários, que transportam mais de 140 mil usuários por dia trabalham diuturnamente, incluindo feriados e finais de semana, natal e "reveillon" para realizar um trabalho digno de ser chamado transporte de massa. E por vaidade, inveja, despeito e  desconhecimento, eu diria até ignorância escreve aquilo que pegou na internet ou algum assessor lhe passou com segundas intenções. O pior de todos "as marrons". Esse senhor talvez nunca tenha andado no Sistema  eficiente como o nosso.


Metrô não dá Lucro


Estive há quinze dias conversando com presidente do TCDF e ele mesmo afirmou que o transporte com essas características, nunca deu nem nunca dará lucro. Mais uma desinformação do ex secretário desinformado. O lucro do sistema metroviário sempre será de cunho social, por isso do papel estratégico e irrevogável da Companhia.

Bem Pagos

Não há problemas quanto a ser bem pago, ou há? Todos os trabalhadores, sem excessão, deveriam ganhar conforme o conhecimento técnico adquirido e "tempo de casa", ou seja ganhar bem, mas o senhor intelectual desinformado, insiste em desvalorizar aqueles que, diferente dele, estudaram e passaram em concurso público e adquiriram os seus salários por mérito e muitas lutas.
Ele não disse em seu blog de grande mídia que o Metrô-DF é uma empresa jovem e que muitos que ali trabalham fundaram a empresa e passaram mais de quinze anos pagando para trabalhar e que os reajustes dos salários só ocorreram na gestão  bem sucedida senhora Ivelise Longhi. O colunista devia se informar mais e ir ao TRT e verificar quantas reclamações houveram desde a fundação em 1994 para que os salários chegassem aos patamares da justiça. E ainda não chegaram.

Atual Greve

Como o falso intelectual, despeitado, arrogante não sabe que a atual greve nada mais requer à Justica do Trabalho que as perdas salarias dos últimos 24 meses sejam reposta sob pena de a categoria voltar ao poder de compra da década de 90, Quando os metroviários de Brasília ganhavam salário perto do mínimo.

A responsabilidade de quem escreve é do tamanho do estrago que pode causar, nenhum. Muita desinformação para ganhar os aplausos de alguns poucos e manter relacionamentos de influência. Isso é característica dos vermes e parasitas incapazes de reconhecer valor na profissão.


As contratações são necessárias

Esse senhor desinformado deveria ler mais, ou simplesmente andar de trem, para verificar que a presença do Estado se faz necessária quando se transporta um número tão grande de vidas humanas e que o risco a segurança da população e a eficiência, eficácia dos serviços públicos não podem estar nas mãos de quem só almeja o lucro. Não deve saber o quanto de ocorrências policiais há dentro dos vagões ou nas regiões lindeiras. Não deve saber que se não contrata pessoal para manutenção os interesses para não consertar os trens mudam e não há uma fiscalização eficiente que vise o bem público, por isso senhor H, é que há concurso, por isso que se deve pagar bem, pois além do conhecimento técnico deve se ter todas as condições necessárias para que um Sistema tão complexo funcione com um mínimo de segurança e quando uma categoria apela para o extremo que é a greve já se exauriu todos os recursos, inclusive o de segurança para os poucos que lá trabalham.

Vá visitar e andar de trem, para saber o quanto se trabalha lá. ficar atrás de um PC criticando quem trabalha é cômodo para pequenos (falo de idéias) ditadores falar o que não conhece e tentar determinar o que os deveriam saber, são esses falsos formadores que dominam uma sociedade como a nossa; a do jeitinho, e de se tentar realizar contratos com terceirizadas sem transparência e a imoralidade e irresponsabilidade de acusar sem conhecer, ou de se ouvi falar. É por essas e por outras que o Senhor H, saiu pela porta dos fundos do Governo e é motivo de piadas em muitas Rodas de conversa.

E por fim deveriam excluir do meio esse tipo de hipócrita, cretino e irresponsável. Profissional que não mede as consequências das ilações e hipóteses que levanta sem conhecimento de causa.

As Leis

Uma greve que está de acordo com as leis e de acordo com todas as decisões do TRT, procure se informar. Assim como as vitórias nas datas base e nos longos anos de luta da categoria.  

Sugiro ao Sindicato dos Trabalhadores uma ação por calúnia a tão honrada categoria. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria