Pular para o conteúdo principal

Lançada Frente parlamentar em defesa de aplicativos de transporte


A Frente Parlamentar em Defesa da Utilização de Aplicativos para Transporte Individual de Passageiros, a exemplo do Uber, foi lançada nesta terça-feira (14), na Faculdade de Tecnologia da UnB, tendo como presidente o deputado Professor Israel, tendo como membros a presidente da Câmara Legislativa do DF,
Foto Celina Leão: Divulgação
Presidente da Câmara Legislativa
deputada Celina Leão, e ainda os parlamentares Professor Reginaldo Veras, Chico Leite, Sandra Faraj, Cláudio Abrantes, Luzia de Paula e Roosevelt Vilela.

Também participaram do evento representantes de aplicativos, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), o reitor da UnB, Ivan Marques de Toledo Camargo, assim como motoristas de aplicativos, estudantes e usuários do sistema de transporte.

“A comissão é necessária para que sejam debatidos os novos formatos de compartilhamento de veículos. O uso das tecnologias na mobilidade urbana já é fato e o consumidor aprova. Precisamos agora trabalhar na regulamentação desses serviços”, destacou o Professor Israel.

O auditório estava lotado de interessados no assunto. “O encontro foi importante porque debatemos um tema que irá ao Plenário da CLDF, para ser votado, no dia 21 de junho, que é o projeto do Executivo que dispõe sobre a regulamentação da prestação do serviço de Transporte Individual Privado de Passageiros Baseado em Tecnologia de Comunicação em Rede no DF, com emendas de parlamentares”, esclareceu Celina.

A presidente da CLDF também destacou que o projeto que não tem consenso e diz que está sendo amplamente debatido, por meio de audiências públicas na Casa. E ainda sugeriu que os interessados acompanhassem os trabalhos nas comissões com os presidentes e relatores nas comissões, inclusive as emendas. “Não estamos abrindo só para o Uber, mas para todos os aplicativos. O que não podemos deixar de fazer é votar o projeto”, avaliou Celina.

“Este evento demonstrou que pelo menos um terço da CLDF está comprometido com a inovação e com uma mudança no sistema de transporte individual de passageiros de Brasília. Isto demonstra que a CLDF não está surda ao clamor popular, demonstra que parte da CLDF decidiu que não vai medir o avanço com as réguas do passado. Não vamos fazer isso, vamos apontar para a frente. Para mim isto é muito especial, porque estavam acusando a CLDF de defender categorias organizadas, corporações, e a gente prova que a CLDF está preocupada com o bem comum, com o interesse público, pelos menos esse um terço da Câmara está apontando para uma solução que beneficie a sociedade e o consumidor e não, apenas, a uma categoria organizada”, declarou o Professor Israel.

ASCOM da Deputada Celina Leão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as 

Processo de Desenvolvimento Organizacional em 4 fases

Diagnóstico - Identificação do problema Através do contato com os dirigentes da organização, são identificados os problemas e as expectativas com relação à resolução dos mesmos.  Na seqüência, se inicia a fase de levantamento.  O objetivo da etapa de diagnóstico é fornecer uma situação inicial da organização. Plano de ação:  A definição do plano de ação ou estratégia de mudança deve se apoiar no diagnóstico realizado.  O plano de ação deve levar em consideração as metas e prazos, as técnicas de intervenção que serão utilizadas, os grupos-alvo e os resultados esperados.   Diagnóstico (Identificação do problema); Plano de Ação (estratégia de implatação); Intervenção (implantação das mudanças); Avaliação e controle Intervenção: A intervenção consiste em um conjunto de atividades previstas para os grupos-alvo.  O sucesso da intervenção depende do acerto da escolha da estratégia.  As atividades de intervenção compreendem também o processo de conscientização

BRASIL É SEXTA ECONOMIA

  A Crise ajuda o Brasil EUA, China, Japão, Alemanha, França, Brasil essa é a nova ordem. Afirma o Centro de Pesquisa de Economia e Negócios do Reino Unido (CEBER, sigla em inglês). A China deverá crescer 7,6% e a Índia deverá crescer 6% o Brasil, segundo autoridades brasileiras deverá crescer em torno dos 3,5% se consolidando como a sexta economia mundial. O Reino Unido só não vai ficar mais desesperado porque a França indica um queda significativa para os próxmios anos. PIB de 2,5 trilhões de dólares A soma de todos os bens e serviços (Produto Interno Bruto-PIB) se mantem entre os maiores mundiais, o contraponto é justamente aquele que o Partido dos Trabalhadores sempre usou como principal bandeira, o social, que precisará de muita atenção da chefe do executivo. Com a decisão de elevar o salário mínimo para R$ 622,00 fará com que se  tenha uma acréscimo de 0,4 pontos percentuais no PIB de 2012. Fato muito importante para a manutenção da política econômica. A indústria