Pular para o conteúdo principal

Empresas de Brasília usam técnica de rodízio, mais conhecida como job rotation, para desenvolver membros em diversas áreas

TRAINEENo mundo das inovações rápidas e da criatividade, muitas técnicas tornam-se ultrapassadas em um piscar de olhos. A linha de produção de Henry Ford, embora importante no século XX para melhorar a dinâmica de produtividade e muito utilizada até hoje em determinados modelos, não está nos livros de história à toa. De acordo com profissionais de Recursos Humanos, hoje as empresas mais modernas percebem que o modelo de “especialistas”, no qual as pessoas entram e se aposentam na mesma função, pode não ser a melhor forma de fazer empresa e funcionários crescerem. Sair da zona de conforto e aprender o trabalho das outras áreas, técnica chamada de job rotation, é a solução encontrada por algumas organizações para ampliar a visão dos membros e desenvolver senso de dono.


O método é utilizado, principalmente, nos períodos de treinamento como forma de preparar os futuros gestores. Na Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), por exemplo, com os programas trainee e talento, é possível construir um currículo rico em atividades sem sair da empresa. O talento treina durante três meses e depois é alocado em um cargo, enquanto o trainee é alocado depois de 12 meses e, nesse período, tem a oportunidade de mudar de área e de função durante certos períodos de tempo, passando, por exemplo, por vendas, logística e pela fábrica localizada nos Estados Unidos.

No período de treinamento da Ambev, o trainee tem a oportunidade de mudar de área e de função durante certos períodos de tempo para conhecer a companhia
No período de treinamento da Ambev, o trainee tem a oportunidade de mudar de área e de função para conhecer a companhia
Na companhia, essas trocas visam fazer o membro identificar em qual área ele mais vai se destacar para trabalhar quando for alocado. De acordo com Illana Kern, gerente de Gente e Gestão da Ambev em Brasília, a pessoa que passa por todas as áreas tem uma compreensão macro do negócio, desenvolve uma visão mais holística e tem respaldo para contribuir com o atingimento de metas da companhia.
A Domani, empresa júnior de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, aplica o job rotation no período trainee para preparar os membros e desenvolver a proatividade e o senso de dono do empresário júnior. A rotação funciona em ciclos de duas semanas em duas áreas que se relacionam e as demandas são projetos relacionados às áreas. No final do período de treinamento, o trainee é alocado na área na qual foi mais habilidoso. A diretora de Gestão de Pessoas, Sarah Cruz, garante que esse modelo fez diferença por proporcionar aos membros o entendimento da empresa como um todo. “Quando você dá esse embasamento para todas as pessoas que estão entrando, elas se desenvolvem muito melhor depois. Além disso, elas também conseguem ter um desenvolvimento maior de habilidades para estágio e emprego”, explica Sarah.

Apesar das vantagens, o job rotation não é bem aceito por todos os profissionais. Emmily Mathias, diretora da INSIGHT-Recursos Humanos, alerta que algumas pessoas se sentem inseguras por não dominar outra área e não querer se expor. Por isso, as empresas mais modernas adotam a metodologia com mais facilidade do que aquelas nas quais as pessoas já fizeram carreira em determinada área. De acordo com ela, é essencial planejar. “O processo tem que ser muito bem estruturado com acompanhamento para não ocorrer queda de rendimento e gerar descontinuidade na empresa.” A prática também é importante para os membros aprenderem como a empresa funciona e, ao mesmo tempo, para a empresa observar quem tem o melhor desempenho em qual área. Emmily explica porque é um processo importante de aprendizado para o funcionário: “a pessoa que já passou por áreas e processos diferentes tem uma visão melhor de resultados, então ela passa a ser mais valorizada no mercado por ter competências mais desenvolvidas do que aqueles que passaram a vida inteira fazendo uma coisa só.”

Fonte: Tendências e Negócios

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Notícias do Planalto Central

Simbologia  A imagem (foto) marcante e mais simbólica da semana foi sem dúvida nenhuma a do governador Ibaneis Rocha na Ceilândia cercado de políticos "peso pesados" da Capital. Ladeado de Flávia Arruda (PL) o encontro sinaliza para uma aliança sólida neste ano de 2022.  'Puliça' O encontro de Ibaneis foi no reduto mais cobiçado da Capital, a Ceilândia (maior colégio eleitoral do DF), onde a foto fala mais do que qualquer palavra. O anfitrião,   o delegado Fernando Fernandes estava com sorriso de orelha a orelha com apoio e prestígio. O delegado deverá se filiar ao partido Republicanos com a benção de Ibaneis.  Volta à Cena O empresário e ex-senador  Luiz Estevão que agora goza de liberdade volta aos pouquinhos à cena política e parece já influenciar definitivamente alguns poucos  políticos da Capital, principalmente os distritais. Luiz tem política nas veias e participou discretamente de algumas "confras" ao lado da esposa Cleucy.   Decisão Fraga erra na tá

Coluna: Notícias do Planalto Central

Ex-governador Rollemberg Marketing reverso Na última semana de 2021, antes de assumir sua candidatura a deputado federal o ex-governador Rodrigo Rollemberg publicou um vídeo em que dizia do quanto dá trabalho cuidar das suas bezerrinhas. Fico imaginando o quanto é trabalhoso cuidar do seu curral eleitoral . Em tempo: no vídeo o político aparece todo sujo de esterco. Carnaval Atendendo a oração de muitos e mais ainda ao avanço de uma outra onda do vírus chinês o governador Ibaneis Rocha(MDB) cancelou o Carnaval de rua no DF. Ontem o vice Paco Britto anunciou não descartar um novo lockdown. "Saúde acima de tudo!"   Evangélicos Viver um paradoxo real é também ato de fé, na proporção em que a falta de Carnaval faz mal ao comércio e ao turismo da cidade, a pandemia do vírus chinês também faz mal à população deixando um rastro de pobreza (desemprego) e morte . O discurso dos evangélicos com referência ao fechamento das igrejas precisa encontrar um ponto de convergência ou

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Introdução Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça. Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as